Governo quer modificar base para concessão de crédito

SÃO PAULO, 3 de junho de 2008 - O Banco Popular da China (PBOC, na sigla em inglês) está estudando planos para acrescentar mais informações personalizadas à base de dados estatal de crédito, de modo que cada cidadão passe a dispor de sua própria "identidade econômica" pessoal.

De acordo com informações divulgadas pela imprensa chinesa, as autoridades trabalham no projeto de incluir dados a respeito dos contratos com seguradoras e agentes de bolsa na mencionada base de dados individualizada.

O Conselho de Estado e a Comissão Nacional para a Reforma e o Desenvolvimento da China estão avaliando diversas iniciativas para melhorar os mecanismos legais das bases de crédito, um projeto que já existe em muitos países ocidentais com mercados financeiros mais especializados.

Atualmente, o arquivo inclui históricos dos pagamentos de créditos bancários, faturas de telefone e telecomunicações e fundos de pensões, entre outros. "O sistema é o resultado do desenvolvimento econômico. Agora se requerem mais produtos de crédito, e por isso a instalação de uma terceira parte neutra é necessária", explicou um oficial do banco emissor.

A base de dados é utilizada como estudo de solvência pelas entidades bancárias: um cidadão com histórico negativo pode encontrar dificuldades para conseguir um empréstimo. "Não se trata de elaborar uma lista negra, mas um histórico de crédito dos indivíduos", afirmou a mesma fonte.

O sistema de crédito chinês, administrado pela autoridade monetária do país, foi lançado em 2006 e cobre 600 milhões de indivíduos na China, dos quais mais de 100 milhões dispõem de pelo menos uma linha de crédito aberta.

(Redação com agências internacionais - InvestNews)