Analistas: Ibovespa pode bater 85 mil pontos ao final do ano

Fabiano Klostermann, Portal Terra

SÃO PAULO - A obtenção do grau de investimento e os bons resultados das empresas brasileiras no ano podem levar o principal índice da Bolsa de Valores de São Paulo (Bovespa) até aos 85 mil pontos no final do ano. Segundo analistas de mercado, o bom resultado desde o início do ano, com Ibovespa apresentando alta acumulada de 14%, ainda pode levar a revisões mais otimistas da estimativa.

Para o economista-chefe da corretora Ágora, Álvaro Bandeira, a estimativa de sua empresa, que era mantida desde o início do ano, terá que ser revisada.

- Nós projetávamos 82 mil pontos desde o início no ano. Quando bateu em 53 (mil pontos), ficamos meio preocupados, mas não mudamos porque sabíamos que o mercado era forte. Agora (com o grau de investimento), nossos números terão que ser revisados no segundo semestre - afirmou.

De acordo com Bandeira, as estimativas são elaboradas levando em conta uma série de fatores. - Nós temos uma projeção baseada em estimativas dos resultados das empresas, risco País, taxa de juros, inflação, fluxo de recursos e comparação com o mercado internacional.

Trabalhando com uma projeção mais modesta, o sócio da Paraty Investimentos Luiz Henrique Carneiro afirmou que a corretora pesquisou o mercado e estimou que 80% dos benefícios com o grau de investimento já estavam precificados nas ações do Ibovespa antes de seu anúncio.

- O que deixou uma margem de 20% para subir. Até agora (a nossa previsão) está se confirmado, com o índice subindo 14% (desde o grau). Se o cenário ajudar e não tivermos nenhum tipo de surpresa, (o índice vai fechar o ano) para cima de 78 mil (pontos) - explicou Carneiro.

O bom desempenho do mercado acionário brasileiro já fez, inclusive, com que projeções, elaboradas depois do grau de investimento, tivessem que ser refeitas. É o caso da corretora Souza Barros, que trabalhava com um horizonte de 70 mil pontos antes do aumento da nota do Brasil pela agência de classificação de risco Standard & Poor's.

- Depois do investment grade, 79 mil. Mas, o resultado das empresas veio acima do esperado. Como veio acima, teremos que fazer uma revisão - afirmou Clodoir Vieira, sócio da Souza Barros.

Segundo ele, com um cenário mais propício a previsão para o Ibovespa para o final do ano deve superar a anterior. Como resultados positivos de empresas que superaram a expectativa do mercado, ele cita Banco do Brasil, Petrobras, Companhia Siderúrgica Nacional (CSN) e Tractebel.

- Já tem gente trabalhando com 85 mil a 90 mil pontos - explicou. Menos otimista, a corretora Fator informou que sua previsão, de 75 mil pontos ao final do ano para o Ibovespa, foi mantida mesmo após a concessão do grau de investimento pela S&P.

Fausto Gouveia, analista da Win Home Broker, acredita que a economia brasileira está "blindada" contra a crise internacional.

- O pior da crise já ficou para trás. Os balanços (das empresas) já estão vindo mais limpos. Eu projeto uma melhora para o segundo semestre e o grau de investimento que vai com certeza trazer mais investidores - explicou o analista da Win.

Segundo Gouveia, os resultados das empresas brasileiras também contribuem para a projeção de que o Ibovespa termine o ano em 85 mil pontos.

- Os resultados corporativos estão bons, a indústria num crescente. A única coisa que pode atrapalhar é essa inflação persistente. Mas, pelo menos, essa não é uma inflação que é só nossa, ela é do mundo - disse.

Utilizamos cookies essenciais e tecnologias semelhantes de acordo com a nossa Política de Privacidade.
Ao continuar navegando, você concorda com estas condições.
Saiba mais