Brasil é apontado como o 5o mais influente no mundo

SÃO PAULO, 15 de abril de 2008 - O Brasil é o quinto país de melhor influência no mundo. Foi o que revelou a pesquisa internacional realizada pela Market Analysis, em parceria com o Instituto GlobalScan, encomendado pelo Serviço Mundial da BBC. Dentre os 14 países que foram avaliados em termos de quão positiva ou negativa é sua influência no mundo, o Brasil foi considerado o 5º país com melhor desempenho, reunindo 44% de opiniões favoráveis, ficando atrás da Alemanha, Japão, França e Grã-Bretanha.

"Esta classificação o coloca (Brasil) à frente de outros componentes do Brics (Rússia, 37%, e Índia, 41%)", afirma, em nota, o diretor da Market Analysis, Fabian Echegaray. "Entre os participantes, o Quênia (67%), o Chile (65%) e os Estados Unidos (61%) enxergam mais positivamente a influência brasileira perante o mundo. Ao contrário de países do Oriente Médio, como o Egito (43%) e a Turquia (40%), que o vêem mais negativamente", completa.

Outra constatação é que, à medida que a renda do entrevistado aumenta, melhora a visão a respeito do Brasil. O alto nível de escolaridade também favorece uma visão mais positiva sobre o País - 47,3% dos que têm pós-graduação enxergam o Brasil com bons olhos. Com isso, 59% dos americanos com este perfil vêem o País dessa maneira.

Na Turquia e no Egito, que o classificaram mais negativamente, 42,9% dos pós-graduados e 54,3% das pessoas de alta renda, respectivamente, consideram a influência do Brasil como negativa.

De acordo com os dados apresentados, no geral, a visão européia sobre o País é positiva. A Grã-Bretanha (43%) e a Espanha (42%) foram os responsáveis pela melhor classificação no continente. Completam o time dos europeus a França (40%) e a Itália (39%). Curiosamente, Portugal divide opiniões - 36% dos entrevistados avaliam o impacto positivamente e 34% de forma negativa.

Entre os países avaliados, Alemanha e Japão dividem o primeiro lugar no ranking dos mais bem vistos, com 56%. O Irã fica com a pior classificação, visto por 56% dos entrevistados como a pior influência nos outros países do mundo.

O levantamento foi realizado em dezembro de 2007 eteve como base uma amostra de 14.503 pessoas, em 23 países. Foram entrevistados adultos entre 18 e 69 anos, da Alemanha, Argentina, Austrália, Brasil, Canadá, Chile, China, Coréia do Sul, Egito, Espanha, Estados Unidos, França, Grã-Bretanha, Índia, Israel, Itália, Japão, México, Nigéria, Portugal, Quênia, Rússia e Turquia.

(Redação - InvestNews)