Bernanke volta a falar e mercado se mostra reticente

SÃO PAULO, 3 de abril de 2008 - O presidente do Banco Central norte-americano volta a falar nesta quinta-feira, e com isso, os investidores se mostram reticentes. Ontem, Ben Bernanke admitiu que os Estados Unidos, derrubado pela crise imobiliária, poderão registrar crescimento negativo no primeiro semestre. Contudo, as condições econômicas devem melhorar no segundo trimestre, quando o plano de reestruturação do governo começará a produzir efeito e, supostamente, os mercados de moradia e crédito se estabilizarão.

Na agenda, as atenções recaem no índice de atividade no setor de serviços, com divulgação prevista para as 11 horas. A previsão é de que o ISM de março recue para 48,7 pontos, contra 49,3 pontos em fevereiro. Na última terça-feira, o ISM para o setor de manufatura surpreendeu positivamente ao ficar acima do esperado.

No mercado de trabalho, foi divulgado que os pedidos por auxílio-desemprego subiram em 38 mil na semana passada, somando 407 mil requisições. Amanhã, o Departamento de Trabalho apresenta o relatório mensal de emprego. O documento deverá confirmar o quadro de piora nas condições do mercado em março. É esperado que a taxa de desemprego suba para 5%, ante 4,8% em fevereiro e que haja retração de 50 mil nos postos - a terceira consecutiva.

Instantes atrás, o dólar comercial subia 0,06%, cotado a R$ 1,728 na compra e R$ 1,729 na venda.

(Simone e Silva Bernardino - InvestNews)