Fed reconhece recessão pela 1ª vez

SÃO PAULO, 2 de abril de 2008 - Em seu discurso para o Congresso norte-americano, o presidente do Federal Reserve (Fed, o banco central norte-americano), Ben Bernanke, reconheceu pela primeira vez publicamente a possibilidade de uma recessão, o que os economistas geralmente definem como dois trimestres consecutivos de queda na atividade. "Parece provável que o verdadeiro Produto Interno Bruto (PIB) não vai crescer muito. Se crescer, durante o primeiro trimestre deste ano e, inclusive, poderá se contrair levemente", afirmou Bernanke à Comissão Conjunta de Economia do Congresso.

No entanto, sugeriu que uma possível recessão seria suave. "Esperamos que a atividade econômica se fortaleça no segundo semetre do ano, em parte como resultado de medidas de estímulo fiscal e monetário", afirmou.

A maior economia do mundo cresceu a um ritmo anual de apenas 0,6% no quarto trimestre de 2007, o último de que se tem conhecimento com informações oficiais disponíveis, mas muitos analistas dizem que a atividade se fragilizou ainda mais em 2008, uma opinião da qual Bernanke compartilha.

"O panorama político a curto prazo se fragilizou em relação às projeções difundidas pelo Comitê Federal de Mercado Aberto (Fomc, sigla em inglês) no final de janeiro", assinalou. Apensar dos EUA, ter registrado crescimento de ,6% no quarto trimestre de 2007, muitos analistas também dizem que a atividade se fragilizou ainda mais em 2008.

Bernanke defendeu, ainda, a decisão da Fed de resgatar o banco de investimentos Bear Stearns, dizendo que houve intervenção para evitar uma situação "caótica" que teria causado um impacto econômico mais amplo. "Com as frágeis condições financeiras, a repentina queda do Bear Stearns teria provavelmente conduzido a um movimento caótico de posições nesses mercados e poderia ter sacudido seriamente a confiança", explicou o presidente da Fed.

(Redação com agências internacionais - InvestNews)