Raúl Castro inicia mudanças para produzir alimentos

SÃO PAULO, 1 de abril de 2008 - Entrega maciça de terras ociosas, melhores preços para os produtores e descentralização das decisões. Esse é o tripé da nova reforma agrária empreendida por Raúl Castro em Cuba para aumentar a produção de alimentos.

As Delegações de Agricultura, que serão constituídas até 10 de abril nos 169 municípios do país, são consideradas as peças-chave no processo de descentralização de decisões.

A partir de "um novo conceito", essas delegações "terão poder para tomar decisões e assumir responsabilidades", disse o jornal oficial Granma.

Segundo Fidel e Raúl Castro, "os problemas atuais da sociedade cubana requerem respostas mais variadas para cada problema concreto que as contidas em um tabuleiro de xadrez", o que explica a "municipalização" das soluções.

Dos 3,5 milhões de hectares cultiváveis da ilha, 32,6% pertencem a pequenos proprietários ou a Cooperativas de Produção Agropecuárias (CPA), 42% às Unidades Básicas de Produção Cooperativa (UBPC, cooperativas em terras estatais) e o restante, à empresas estatais.

Contudo, dessa superfície, "51% estão ociosas ou exploradas de forma insuficiente", segundo fontes oficiais - um grave problema num momento de alta dos preços internacionais dos alimentos, cuja importação custa à ilha US$ 1,5 milhão por ano.

(Redação - InvestNews)