Dívida líquida pública sobe para R$ 1,15

SÃO PAULO, 31 de março de 2008 - A dívida líquida do setor público somou R$ 1,157 bilhões em fevereiro, o que representa 42,2% do Produto Interno Bruto (PIB). Em janeiro, o montante era de R$ 1.140,9 bilhões (41,9% do PIB). Os dados constam na Nota de Política Fiscal divulgada nesta manhã pelo Banco Central (BC).

Em fevereiro, a dívida bruta do governo geral alcançou R$ 1,583,9 bilhões (57,8% do PIB). Um mês antes, a cifra foi de R$ 1,579 bilhões (58,1% do PIB).

Segundo a nota, a dívida mobiliária federal fora do BC, avaliada pela posição de carteira, totalizou R$ 1,242 bilhões (45,3% do PIB) em fevereiro, registrando acréscimo de R$ 38,2 bilhões em relação ao mês anterior. O resultado refletiu emissões líquidas de R$ 27,1 bilhões, incorporação de juros de R$ 11,6 bilhões, e redução de R$ 0,5 bilhão em decorrência da apreciação cambial.

Em fevereiro, se destacam as seguintes operações: emissões líquidas de R$ 14,4 bilhões em LTN, R$ 5,4 bilhões em LFT, R$ 2,8 bilhões em NTN-B e de R$ 4,7 bilhões em NTN-F.

De acordo com o BC, ao final de fevereiro, a estrutura de vencimento da dívida mobiliária em mercado era: R$ 277,2 bilhões, 22,3% do total, com vencimento em 2008; R$ 258,9 bilhões, 20,8% do total, com vencimento em 2009; e R$ 706 bilhões, 56,8% do total, vencendo a partir de janeiro de 2010.

A exposição total líquida nas operações de swap cambial foi negativa em R$38 bilhões. O resultado dessas operações (diferença entre a rentabilidade do DI e a variação cambial mais cupom) foi desfavorável ao BC em R$ 2,6 bilhões, no conceito caixa, valor contemplado na apuração das necessidades de financiamento do setor público.

(VS - InvestNews)