Briga por Ptax conduz rumo do dólar

SÃO PAULO, 31 de março de 2008 - O último dia do mês é marcado pela tradicional disputa entre comprados e vendidos na Bolsa de Mercadorias e Futuros (BM&F). Isto porque, a Ptax (média das cotações do dólar) servirá de base para a liquidação dos futuros do dólar abril e também para os US$ 2,04 bilhões em contratos de swap cambial reverso.

Há pouco, a divisa norte-americana subia 0,23%, cotada a R$ 1,747 na compra e a R$ 1,749 na venda. A última atualização, no dia 19, mostrava que os investidores estrangeiros estavam comprados - ou seja, apostando na tendência de alta do dólar - em US$ 10,52 bilhões.

Os temores mundiais de que outros bancos podem seguir o caminho do Bear Stearns - em colapso devido a aplicações em títulos atrelados aos mercado hipotecário de baixa qualidade - também pode voltar a pressionar os negócios. O banco de investimento foi comprado inicialmente pelo JP Morgan por um valor considerado irrisório de US$ 2 por ação, mas a oferta subiu posteriormente para US$ 10 por ação.

A virada do mês e também do trimestre deve confirmar os impactos da crise global de crédito sobre o País. Somente em março, o dólar já sobe 3,1% sobre o real e a Bovespa contalibiliza perdas de 4,8%.

A semana começa com uma agenda mais tranqüila, com destaque apenas para a pesquisa Focus do BC, mas reservas importantes divulgações nos próximos dias. Destaques para s dados da balança comercial de março (amanhã), o testemunho de Bernanke no Congresso (quarta-feira), onde falará sobre perspectiva econômica, e o relatório do mercado de trabalho dos EUA de março (sexta-feira), incluindo o tão aguardado "payroll". Este relatório deve confirmar o quadro de piora nas condições do trabalho. O mercado projeta taxa de desemprego de 5% neste mês, contra 4,8% de fevereiro e nova retração no número de vagas.

(Simone e Silva Bernardino - InvestNews)