BC chinês afirma que país continuará ajustando política monetária

Agência EFE

PEQUIM - O Banco Popular da China (autoridade monetária) afirmou nesta segunda-feira que o país asiático 'continuará ajustando sua política monetária', em resposta às 'mudanças produzidas' na economia internacional e local, entre eles um aumento da inflação em fevereiro de 8,7% em relação ao mesmo mês do ano passado.

Este número superou a previsão de 8,3% feita antes pelo próprio banco central chinês, significou a maior alta mensal em quase doze anos e ultrapassou amplamente os 4,8% estabelecidos como objetivo anual pelo Governo de Pequim.

O banco central chinês anunciou, em comunicado publicado em seu site, que introduzirá 'uma maior flexibilidade em taxa de câmbio do iuane' e o manterá 'estável', a um 'nível de equilíbrio razoável'.

Quanto à preferência nos créditos, disse que 'será concedida a setores relativamente frágeis, como agricultura, emprego, educação, e pequenas e médias empresas'.