Biscoitos e massas terão reajuste em abril

SÃO PAULO, 25 de março de 2008 - Os preços dos biscoitos e massas alimentícias sofrerão reajustes de 10% a 15% no preço de venda a partir de abril. A elevação é decorrência do aumento das pressões provocadas pelo aumento, nos últimos meses, dos custos dos insumos.

Esse é o primeiro reajuste do ano, pois até agora o setor tinha mantido os preços praticados desde agosto do ano passado. ´As empresas já estão arcando com os aumentos e chega um ponto em que precisam promover um realinhamento para que possam se manter sadias´, explica, em nota, o presidente do Sindicato de Biscoitos e Massas Alimentícias do Estado de São Paulo (Simabesp/Anib), José dos Santos dos Reis.

Entre os aumentos que forçaram a reavaliação dos preços dos biscoitos e massas estão a farinha com alta de 30%, gordura hidrogenada (35%) e cacau (15%). ´A maioria dos insumos são commodities, ou seja, têm os preços regulados pelo mercado internacional´, diz Reis. ´A boa notícia é que mesmo com aumentos dos custos em torno dos 30% nós conseguimos manter nossos reajustes numa base bem inferior´.

Os preços finais dependem do tipo do produto e de cada fabricante. ´As pressões têm impacto diferente em cada um e o resultado final depende de uma série de variáveis. Porém, podemos garantir que os reajustes não ultrapassarão os 15%´, diz o presidente do Simabesp.

O mercado de biscoitos movimenta mais de 1,13 milhão de toneladas anualmente e tem um faturamento em torno de R$ 7,41 bilhões, o que coloca o Brasil na posição de segundo maior produtor mundial. O setor é composto por 600 indústrias, sendo que as 20 maiores representam 70% do mercado. O consumo anual per capita do consumidor brasileiro tem se situado em torno dos seis quilos nos últimos cinco anos.

No que se refere às massas, o Brasil detém o terceiro lugar no ranking dos países produtores, com um total de 1,3 milhão de toneladas produzidas em 2007 e um faturamento de R$ 4,67 bilhões. O consumo per capita anual é de 5,8 quilos.

(Redação - InvestNews)