Não somos mais do clube dos devedores, afirma Mantega

Portal Terra

RIO - O ministro da Fazenda, Guido Mantega, afirmou, nesta quinta-feira, que a situação do Brasil de credor vai permanecer, após o Banco Central (BC) estimar que o País tenha passado a credor externo líquido em janeiro, quando os ativos do País (reservas internacionais) no exterior devem ter superado os passivos (dívida externa) em cerca de US$ 4 bilhões. O ministro disse ainda que vão continuar aumentando as reservas, mas que o governo não fará "loucuras".

- Mudamos de clube. Não somos mais da equipe dos devedores. Agora somos credores - afirmou.

Para o ministro, o fato de o Brasil ter a chance de se tornar credor demonstra a grande mudança no País nos últimos anos. Mantega diz acreditar que num momento de crise mundial isso é muito importante, já que falta crédito no mundo hoje e, mesmo assim, o País está em uma situação confortável.

- O Brasil sempre deveu dinheiro desde o ano de 1500. Essa é uma longa história de dívida. Na década de 70, quando os Estados Unidos elevaram os juros, o Brasil quase quebrou para pagar a dívida externa. Hoje o País é protagonista do mercado internacional - afirmou.

Ainda segundo o ministro, o Brasil atualmente se aproxima do investment grade (grau de investimento) nas contas externas. Para ele, falta somente atingir o mesmo objetivo nas contas internas.

- Não é conveniente pagar tudo agora, pois é bom ter crédito no mercado. O País tem títulos a vencer somente em 2025 - afirmou Mantega.

O ministro espera diminuir a taxa básica de juros dentro de dois ou três anos e acrescentou que a expectativa é que ela gire em torno de 7%.

Para o presidente do Banco Central do Brasil, Henrique Meirelles, a melhora dos indicadores de sustentabilidade externa do País é um marco expressivo na história.

- Isso significa que estamos superando gradativamente um longo período caracterizado por vulnerabilidade e crises, causadas principalmente pela dificuldade em honrar o passivo externo do País - disse.

Meirelles afirmou que este feito é resultado direto da implementação, nos últimos anos, de políticas macroeconômicas responsáveis e consistentes, baseadas no tripé responsabilidade fiscal, câmbio flutuante e metas para a inflação.

Para o presidente do BC, esse tripé tem assegurado uma melhora gradativa dos nossos fundamentos fiscais e externos, o que aumenta a resistência da economia a choques adversos.

Reforma tributária

O ministro Guido Mantega, nesta quinta-feira, também fez comentários sobre a a proposta de reforma tributária que será enviada ao Congresso Nacional na semana que vem.

- Provavelmente, não haverá reduções das contribuições previdênciárias e que deve ser retirado do custo da folha salarial cerca de 2% - completou.