Investidor recebe novos dados econômicos

SÃO PAULO, 7 de fevereiro de 2008 - Os agentes financeiros receberam nesta quinta-feira novos dados sobre os indicadores econômicos tanto do campo interno como externo e com isso começam a procurar pistas sobre os próximos passos da economia monetária. Na Bolsa de Mercadorias e Futuros (BM&F) as projeções de juros dos contratos de Depósitos Interfinanceiros (DI) recuaram no final dos negócios. O DI de janeiro de 2009 fechou com juro anual de 12,01%, ante 12,08% do ajuste anterior.

Internamente, foi informado que o Índice de Preços ao Consumidor (IPC) medido pela Fundação Instituto de Pesquisas Econômicas (Fipe/USP) desacelerou para 0,52% em janeiro. O resultado veio abaixo do esperado pelos analistas, que previam inflação entre 0,60% e 0,70%.

Alex Agostini, economista-chefe da consultoria Austin Rating, comenta que houve recuo no grupo alimentação de 2,02% em dezembro para 1,04% em janeiro. Para fevereiro, a expectativa é de nova retração. Neste sentido, os investidores monitoraram também o resultado das vendas da indústria brasileira que cresceram 1,5% em dezembro frente a novembro e acumularam alta de 5,1% em 2007.

Agostini ressalta que a economia brasileira está mais forte, os dados da indústria revelam isso, no entanto, não está imune às conseqüências, dependendo da intensidade da possível recessão nos Estados Unidos. "Com isso vale lembrar que o colegiado do Banco Central permanece com a luz amarela acesa em relação à taxa Selic, fixada em 11,25% ao ano", friza.

Para o economista, nos próximos meses a Selic deve permanecer estável e a inflação controlada. "Porém em um cenário de acomodação da crise no hemisfério norte esperamos até um corte de 0,25 ponto percentual na Selic, no último trimestre do ano", disse.

No front externo, foi informado que os novos pedidos de seguro-desemprego nos Estados Unidos ficaram em 356 mil na semana terminada no dia 2 deste mês, uma queda de 22 mil em relação ao dado de uma semana antes, de 378 mil. Além desses dados, os agentes financeiros receberam a notícia de que a venda de casas pendentes dos Estados Unidos registrou recuou de 1,5% em dezembro para uma leitura de 85,9 pontos, enquanto que no mesmo período do mês anterior, a queda havia sido de 3% ou 87,2 pontos. O indicador decepcionou os analistas, que projetavam um recuou de 1% para o período.

(Maria de Lourdes Chagas - InvestNews)