BNDES atinge desempenho recorde em 2007

JB Online

RIO - O desempenho do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) atingiu recorde histórico em 2007. Os desembolsos somaram R$ 64,9 bilhões, valor 24% superior ao registrado em 2006, e as aprovações, de R$ 98,8 bilhões, cresceram 33% em relação ao ano anterior.

Os projetos enquadrados e as consultas, que dimensionam o valor das futuras aprovações e desembolsos, totalizaram, pela ordem, R$ 117 bilhões e R$ 126,8 bilhões em 2007, com expansão de 23% e 20%. O crescimento dos desembolsos e das aprovações do sistema BNDES no ano passado foi, em boa medida, influenciado pela aceleração dos investimentos em infra-estrutura. Em 2007, os projetos do setor receberam do Banco R$ 25,6 bilhões, representando expansão de 62% em relação a 2006.

As aprovações, que servem de termômetro para o volume de futuros desembolsos, aumentaram 104% na mesma base de comparação, atingindo R$ 45,7 bilhões no ano passado. Entre os principais projetos aprovados estão os financiamentos ao Gasoduto Nordeste-Sudeste (Gasene), de R$ 4 bilhões, e ao gasoduto Urucu-Manaus, de R$ 2,5 bilhões, e à expansão e modernização da rede da Telefônica, de R$ 2 bilhões.

O destaque da infra-estrutura nas aprovações, por segmento, ficou por conta dos investimentos em energia elétrica. A expansão atingiu 207%, somando R$ 12,8 bilhões. Entre os principais projetos estão o da Usina Hidrelétrica de Estreito (R$ 2,7 bilhões e 1.087 MW); da Hidrelétrica Foz do Chapecó (R$ 1,6 bilhão e 855 MW): e da Usina Hidrelétrica Simplício (R$ 1 bilhão e 333,7 MW). A participação direta do BNDES no setor permitiu investimentos totais de R$ 17,8 bilhões.

As aprovações do Banco para a indústria atingiram R$ 38,2 bilhões e os desembolsos, R$ 26,4 bilhões em 2007, valores que representam, pela ordem, 39% e 40% do total liberado e aprovado no ano passado, mas equivalem a uma redução de 3% e 2% em relação ao desempenho do setor em 2006.

A ligeira queda é explicada, em boa medida, pela redução do financiamento à exportação (BNDES-Exim, pré e pós-embarque) em 2007. O desembolso para a indústria, retirando as operações do BNDES Exim, revela crescimento de 39%, totalizando R$ 19,8 bilhões. Os R$ 5,8 bilhões restantes representam financiamentos concedidos às operações de exportação. As aprovações para a indústria, seguindo o mesmo critério, cresceram 44%, no ano passado, somando R$ 31,4 bilhões.

A retração da indústria também foi influenciada pelo comportamento sazonal de alguns segmentos, como o de papel e celulose, que obedecem a ciclos de investimentos.

Entre os principais projetos aprovados para a indústria, em geral, estão o apoio à MMX para a construção da infra-estrutura para exploração de mina de minério de ferro em Minas Gerais, construção de terminal portuário em São João da Barra e um mineroduto, no valor de R$ 2,3 bilhões; o financiamento para aquisição de máquinas e equipamentos nacionais da siderúrgica CSA, em Santa Cruz (RJ), de R$ 1,5 bilhão, e o financiamento ao estaleiro Atlântico Sul para a construção de 10 navios, no valor de R$ 1,3 bilhão.