Kodak registra perdas de US$ 573 milhões em 2007

Agência EFE

NOVA YORK - A Eastman Kodak, maior companhia de equipamento fotográfico do mundo, registrou prejuízo de US$ 573 milhões em 2007, mas ainda assim diminuiu em 10% seus números no vermelho em comparação com o ano anterior, resultado de seu processo de reestruturação. A empresa afirmou que já concluiu seu processo de reestruturação, que inclui a demissão de 30 mil funcionários e o investimento de cerca de US$ 3,8 bilhões, e que já se adaptou a um mundo digital em que a fotografia tradicional perdeu espaço.

- Estou emocionado com nosso desempenho em 2007, já que é uma potente evidência que uma nova Kodak nasceu e está produzindo um crescimento sólido e de criação de valor - disse hoje o presidente e executivo-chefe de Eastman Kodak, Antonio Perez.

Apesar de as receitas anuais do grupo terem caído 3% (para US$ 10,301 bilhões), a Kodak aumentou as vendas de produtos digitais e relacionados em 8%, para US$ 6,392 bilhões, enquanto os da área tradicional caíram 15%, para US$ 3,877 bilhões. No entanto, as entradas por conta de novas tecnologias, ainda ínfimas nas contas da empresa, caíram 35%, para US$ 32 milhões.

Em conjunto, a companhia conseguiu reduzir o peso de seu negócio tradicional para dar prioridade ao digital, uma mudança considerada fundamental para a maior companhia fotográfica do mundo voltar a ser o que era.

- Nós também entramos com sucesso no mercado de consumo da impressão por jato de tinta, avaliado em US$ 50 bilhões, e superamos nosso alvo de vendas para o primeiro ano na área de impressoras - acrescentou Perez, que afirmou que quanto mais vê os novos produtos, mais fica otimista acerca de seu êxito.

Apenas durante o quarto trimestre de 2007, a Kodak ganhou US$ 205 milhões (US$ 0,71 por ação), o que significa multiplicar por mais de 13 vezes o resultado obtido no mesmo período de 2006, quando o lucro líquido foi de US$ 16 milhões (US$ 6 por ação). O lucro operacional da companhia alcançou os US$ 92 milhões, frente às perdas de US$ 15 milhões que a Kodak acumulou na reta final de 2006, como resultado da queda das despesas de reestruturação.

- Mais uma vez tivemos um quarto trimestre e um ano fortes no crescimento de resultados, inclusive alcançando e superando metas próprias muito grandes - acrescentou o diretor-executivo da Kodak, que um dia antes de divulgar seus resultados registrou alta de 4,18% em suas ações.

Além disso, seu faturamento no quarto trimestre avançou 4% em comparação com os três últimos meses de 2006, alcançando a soma de US$ 3,22 bilhões, dos quais US$ 2,262 bilhões foram obtidos no segmento digital (15% mais do que há um ano). No entanto, o faturamento do equipamento tradicional também caiu no mesmo ritmo, para os US$ 951 milhões, enquanto a de novas tecnologias caiu pela metade, até os US$ 7 milhões.