Clima ameno leva índice a subir 0,34%

SÃO PAULO, 29 de janeiro de 2008 - O clima ameno visto nos principais mercados acionários asiáticos, europeus, e nos índices futuros norte-americanos, prevaleceu nesta manhã e a Bolsa de Valores de São Paulo (Bovespa) operou em alta desde a abertura dos negócios. Há pouco, a bolsa paulista registrava valorização de 0,34%, aos 58.795 pontos. O giro financeiro estava em R$ 1,96 bilhão.

Os investidores aguardam o resultado da reunião do Comitê Federal de Mercado Aberto (Fomc), dos Estados Unidos, do Federal Reserve (Fed, o banco central norte-americano), que será divulgado amanhã. A expectativa é que a entidade monetária promova um corte de 0,5 ponto percentual (p.p) nos juros norte-americanos. Se confirmada, a taxa irá para 3% ao ano (a.a). Na semana passada, o Fed anunciou um corte extraordinário de 0,75 p.p, a fim de tentar acalmar as principais praças acionárias mundiais, que registraram recorde de perdas no dia anterior à decisão.

Além disso, os mercados ainda assimilam o último discurso do presidente norte-americano, George W. Bush, ao Estado da União. Bush reconheceu ontem, em seu discurso, que há uma preocupação sobre a economia de seu país, e solicitou ao Congresso para que aprove rapidamente o pacote de estímulo a economia. As medidas consistem em rebaixamentos tributários entre US$ 300 e US$ 600 para a grande maioria dos norte-americanos, assim como um corte de impostos de um montante total de US$ 50 bilhões para as empresas, com o objetivo de incentivar o investimento.

Nesta manhã, os pedidos de bens duráveis, referentes a dezembro, surpreenderam ao apresentar alta de 5,2% enquanto que o esperado para o período era um avanço de 1,6%. Foi o segundo mês consecutivo que o indicador apresentou alta e seguiu um avanço de 0,5% apresentado em novembro, já com ajustes sazonais.

O resultado da Dow Chemical também chamou a atenção dos investidores nesta manhã. A indústria química norte-americana encerrou 2007 com lucro líquido de US$ 2,9 bilhões, uma retração de 22,5% em relação ao ano anterior. O resultado foi fortemente impactado pelo quarto trimestre, quando o lucro teve queda de 51,6%, para US$ 472 milhões. A companhia explicou, em nota, que o balanço de outubro a dezembro foi afetado pelo aumento nos custos com matéria-prima e pelos gastos relativos à reestruturação proposta anteriormente, na qual a empresa pretende eliminar cerca de mil postos de trabalho.

No front interno, investidores aguardam os resultados da Brasil Telecom, que deverão ser anunciados após o fechamento do mercado acionário brasileiro. De acordo com expectativa da Brascan Corretora, a companhia deverá reportar lucro líquido de 225 milhões no quarto trimestre, o que significaria uma queda de quase 15% em relação aos 268 milhões totalizados em igual período de 2006.

Dentre os destaques positivos do Ibovespa estão Gol PN, que subiam 7,61%, a R$ 35,90; Eletrobrás ON, que avançava 5,22%, a R$ 23,15; e Eletrobrás PN, que apresentavam alta de 4,88%, a R$ 23,60. No sentido oposto, Souza Criz ON caía 2,46%, a R$ 51,01; Telemar PN, que recuava 1,79%, a 67,27; e Telemig PN apresentava queda de 1,58%, a R$ 50,19.

Na Bolsa de Mercadorias e Futuros (BM&F), o Ibovespa com vencimento em fevereiro registrava alta de 0,51%, a 58.850 pontos.

(Vanessa Correia - InvestNews)