Dólar acompanha resto do mundo, inverte sinal e cede

SÃO PAULO, 28 de janeiro de 2008 - Os ativos mundiais iniciaram uma nova semana de tensão e nervosismo com relação à economia norte-americana. O temor de recessão com contágio no resto do mundo prevaleceu. No entanto, depois de amargar perdas pela manhã, os ativos inverteram sinal. No câmbio, o dólar oscilou entre alta de 0,56% e baixa de 0,28%, e fechou vendido a R$ 1,785, com leve desvalorização de 0,17%, com o retorno dos investidores a Bovespa.

Os investidores domésticos também reagiram aos dados das contas externas. O Banco central informou que em janeiro, até o dia 24, o câmbio contratado ficou negativo em US$ 1,648 bilhão e no mesmo período, também foi registrado saídas de US$ 1,8 bilhão de investimento estrangeiro em ações e renda fixa. Mas a saída de recursos ocorre em um momento de novas turbulências no mercado externo. No ano passado, o fluxo cambial ficou positivo em US$ 87,454 bilhões e com a forte entrada de dólares no Brasil, as compras do BC somaram US$ 78,6 bilhões.

Mas de acordo com operadores, o clima de incertezas deve adicionar volatilidade aos negócios nos próximos dias, ainda mais com a carregada agenda de indicadores externos, com a primeira preliminar do Produto Interno Bruto (PIB) dos EUA no quarto trimestre, gasto do consumidor e a inflação relacionada e o relatório de mercado de trabalho de janeiro.

Os investidores esperam que, depois do corte emergencial de 0,75 ponto percentual na semana passada pelo Federal Reserve, que passou o juro de 4,25% para 3,5% ao ano, nova redução de 0,50 ponto seja anunciada nesta quarta-feira. "Caso esta decisão não ocorra, os mercados reagirão de forma bastante negativa", avaliou a AGK corretora em relatório.

(Simone e Silva Bernardino - InvestNews)