Minerva prevê comprar frigorífico Lord Meat

SÃO PAULO, 9 de janeiro de 2008 - O frigorífico Minerva, um dos líderes no Brasil na produção e comercialização de carne in natura, industrializados e subprodutos de origem bovina, anunciou hoje interesse em adquirir o frigorífico Lord Meat, localizado em Goianésia (GO). Em comunicado ao mercado, a empresa oficializou que o primeiro passo da negociação foi firmar um contrato de prestação de serviços com o frigorífico goiano, para passar a utilizar os serviços de abate e desossa do Lord Meat. Com isso, a capacidade diária de abate do Minerva terá incremento de 300 a 400 cabeças. Hoje, o Minerva abate por dia cerca de 5.000 cabeças.

Atualmente, o Minerva possui cinco unidades industriais operacionais e uma unidade de processamento, nos Estados do Mato Grosso do Sul, Goiás, São Paulo e Tocantins, próximas dos principais portos exportadores e mercados internos, bem como de sua ampla base de fornecedores de gado.

No início de 2007, o Minerva iniciou a construção de uma nova unidade industrial no Estado de Rondônia e, em abril do mesmo ano, adquiriu duas novas unidades industriais, sendo uma no Estado do Tocantins e outra, ainda em fase de construção, no Estado do Pará.

´Quando essas unidades industriais operarem em sua capacidade total, poderemos aumentar nossa capacidade diária de abate em 57%, passando das atuais cinco mil cabeças para aproximadamente 7.850 cabeças no final de 2008´, diz o superintendente de Relações com Investidores da Companhia, Ronald Aitken em comunicado.

Segundo ele, o Minerva também terá condições de processar diariamente um volume até 58% maior de carne, passando de 1.200 toneladas (equivalente a aproximadamente 7.500 cabeças) atualmente para 1.900 toneladas (equivalente a aproximadamente 11.600 cabeças).

A possível aquisição da Lord Meat ainda está sujeita a acordos entre o Minerva e os proprietários daquele frigorífico, a Lord Meat Trading Ltd., com sede nas Ilhas Virgens Britânicas, e Meatpar Participações Societárias Ltda., com sede no Brasil.

(Redação - InvestNews)