Exportações de café crescem 2,4% em 2007

SÃO PAULO, 9 de janeiro de 2008 - As exportações de café em 2007 totalizaram 28.021.462 sacas de 60 quilos, expansão de 2,4% em relação a 2006. A receita com as vendas externas totalizaram US$ 3,9 bilhões em 2007, com aumento de 17% em relação a 2006 (US$ 3,29 bilhões), segundo dados divulgados hoje dados pelo Conselho dos Exportadores de Café Verde do Brasil (CeCafé).

Em dezembro último as exportações brasileiras de café somaram 2.330.989 sacas de 60 kg, com queda de 16,7% em relação ao mesmo mês de 2006, movimento resultante da safra menor. Em termos financeiros, a redução dos negócios foi de 1,7%. A receita das exportações brasileiras de café alcançou US$ 352.598 milhões no mês.

Segundo Guilherme Braga, diretor geral do CeCafé, o ano de 2007 foi positivo, superando as expectativas em relação ao volume e receita. Apesar de uma safra pequena, a receita alcançada foi a maior da história. O resultado reflete a tendência de elevação de preço (entre 8 e 10% a cada ano), iniciada em 2002.

O preço médio anual da saca de 60 kg de café exportado pelo Brasil subiu de US$ 120,54 em 2006 para US$ 137,70 em 2007.

O volume de café verde exportado em 2007 de 24.712.734 sacas de 60 quilos - foi 1,3% acima do comercializado em 2006. As exportações para a Alemanha, principal destino do produto, cresceram 1,2%, de 4.919.388 em 2006 para 4.969.744, enquanto para os Estados Unidos e Japão as vendas recuaram 5,24% e 9,85% respectivamente. Em termos percentuais, as maiores exportações de café brasileiro foram para a Bélgica, com aumento de 12,41%, de 1.146.332 para 1.288.606 sacas de 60 quilos.

Para 2008, o cenário para o café é animador, apesar dos desafios que deverão ser enfrentados. Guilherme Braga avalia que as exportações do produto ficarão em torno dos 27 milhões de sacas, cerca de 4% inferiores aos embarques de 2007 (28,1 milhões de sacas). A provável diminuição das vendas externas está relacionada à menor safra e com o comportamento positivo do consumo interno, estimado entre 17 e 18 milhões de sacas.

Segundo ele, o processo de evolução dos preços do café deve se manter, uma vez que não existe pressão de baixa no mercado internacional.

(Silvia Regina Rosa - InvestNews)