Ameaça de risco financeiro continua, diz relatório

SÃO PAULO, 9 de janeiro de 2008 - O relatório Riscos Globais 2008, divulgado hoje pelo World Economic Fórum, apontou que uma nova precificação de risco em mercados financeiros foi prevista por alguns analistas no início de 2007 - inclusive pela Rede de Riscos Globais - mas a escala e a natureza da crise financeira sistêmica de 2007-2008 têm levantado dúvidas fundamentais a respeito das vulnerabilidades inerentes ao modelo atual dos mercados financeiros.

A diversificação do risco pode ter fortalecido a estabilidade em bons tempos, mas a ameaça de risco financeiro sistêmico continua intensa. Neste ano, a recessão nos EUA é possível e os economistas estão divididos se o crescimento asiático baseado no consumo será suficiente para impulsionar a economia global.

Na Europa, o tamanho do setor financeiro do Reino Unido cria vulnerabilidades, enquanto grandes déficits em conta corrente em algumas economias da Europa central e oriental podem se mostrar insustentáveis em 2008.

As mudanças no mercado financeiro nas duas últimas décadas levaram à descentralização da propriedade de riscos, o que criou mais oportunidades para o risco transitar entre empresas e mercados - aumentando ainda mais a importância de gestão de riscos. Sob condições normais de mercado, o sistema financeiro aumentou sua capacidade de absorver e distribuir os riscos, e se tornou mais estável.

Mas, para mitigar o impacto do tipo de desafio presenciado em 2007, o relatório pede mais colaboração entre os setores público e privado para testar a estabilidade de sistemas, gestão de riscos, avaliação de risco e prevenção para lidar com a chamada ´fragmentação da propriedade de riscos globais´.

´Riscos Globais 2008´ é publicado em conjunto com a Citigroup, Marsh & McLennan Companies, Swiss Re, o Wharton School Risk Center e Zurich Financial Services e destaca as principais áreas de risco que serão os focos de discussões entre líderes empresariais e legisladores na Reunião Anual do World Economic Forum, em Davos, no final deste mês.

O relatório é baseado em informações de uma rede de mais de 100 dos maiores líderes empresariais, tomadores de decisão, cientistas e outros grandes acadêmicos que, ao longo de 2007, fizeram parte da Rede de Riscos Globais do World Economic Forum.

(Redação - InvestNews)