Renda fixa continua com poucos negócios

SÃO PAULO, 7 de janeiro de 2008 - O segmento de renda fixa, assim como os demais ativos domésticos, operaram nesta segunda-feira com volume reduzido de negócios decorrente das preocupações com a economia americana. Na Bolsa de Mercadorias e Futuros (BM&F), o contrato de Depósito Interfinanceiro (DI), com vencimento em janeiro de 2009, foi o mais negociado, com apenas 129,2 mil contratos fechados, projetando taxa anual de 12,06%, ante 12,05% ao ano. Os contratos de DIs com prazos mais longos são os que mais refletem as incertezas com o ritmo de crescimento da economia norte-americana.

Internamente, profissionais ressaltam que a preocupação com a inflação deve fazer com que o colegiado do Banco Central (BC) seja mais conservador em 2008. Os economistas do banco Fibra continuam otimistas com a economia brasileira e estimam uma taxa de crescimento ao redor de 4,5% neste ano. "Juros reais mais baixos e crescimento acelerado do crédito explicam boa parte da continuidade do cenário favorável para o crescimento econômico doméstico", ressaltam.

Pela manhã os investidores monitoraram o Boletim Focus, onde os profissionais consultados pela autoridade monetária mantiveram em 10,75% a projeção da taxa de juro básico em 2008. Na última reunião do ano (4 e 5 de dezembro), o Comitê de Política Monetária (Copom) manteve a Selic em 11,25% ao ano pela segunda vez consecutiva, por decisão unânime, em linha com a expectativa do mercado.

Ainda no campo doméstico, foi informado que a produção industrial caiu 1,8% em novembro ante outubro, na série com ajuste sazonal. O resultado veio perto do piso das estimativas dos analistas (-2,0% a -0,3%) e abaixo da mediana (-1,65%).

(Maria de Lourdes Chagas - InvestNews)