PAC deve impulsionar demanda para project finance

SÃO PAULO, 7 de janeiro de 2008 - Os aumentos dos investimentos nos projetos previstos no Programa de Aceleração do Crescimento (PAC) para 2008 devem impulsionar a demanda por project finance e alavancar a carteria dos bancos brasileiros.

Só o projeto para construção da usina de Santo Antônio do Complexo Hidrelétrico do Rio Madeira deve demandar cerca de R$ 9,5 bilhões de investimentos, que poderão ser financiados em até 75% pelo Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) , além do investimento do consórcio vencedor Madeira Energia, formado pelas empresas Furnas Centrais Elétricas S/A (39%); Odebrecht Investimentos em Infra-estrutura Ltda. (17,6%); Construtora Norberto Odebrecht S.A. (1%); Andrade Gutierrez Participações S/A. (12,4%); e Cemig Geração e Transmissão S/A (10%). Os bancos Santander e Banif também integram o consórcio por meio do Fundo de Investimentos e Participações Amazônia Energia (FIP), que deve responder por 20% do consórcio.

A usina deverá iniciar a construção entre o final do primeiro semestre e outubro de 2008, com previsão de início de geração de energia até o fim de 2012, e capacidade de geração de 3.168 MW (megawatts).

Os dois bancos subscreverão cotas do FIP que deverá adquirir ações de uma Sociedade de Propósito Específico - SPE, constituída para viabilizar o financiamento da construção, implementação e operação da Usina Santo Antônio.

Para o Head da área de private equity do Banco Banif, Marcos Rechtman, o investimento em infra-estrutura por meio de private equity permite alavancar o financiamento por meio de parcerias com investidores estratégicos. ´A cada R$ 1 de equity é possível financiar cerca de três a quatro vezes esse valor´, afirma.

O Santander, por meio do Santander Global Banking and Markets, foi o assessor global do consórcio durante a fase de licitação e posterior estruturação do financiamento para a construção e exploração das usinas hidrelétricas do Complexo Madeira.

Para o responsável da área de finanças estruturadas do banco Santander, Jean Perri Dupui, 2007 foi um ano de muitas oportunidades na área de project finance, com o aumento dos projetos e licitações nas áreas de energia e infra-estrutura, que devem continuar bastante aquecidas no ano que vem. Só no setor de energia, o banco participou do financiamento de 25 projetos, entre executados e em execução, que somam ao todo investimentos de US$ 15 bilhões.

Ao todo, a carteira de project finance do banco apresentou um crescimento acima de 50% neste ano. Dupui ressalta que as áreas de saneamento, transporte e logística devem liderar os investimentos de project finance no ano que vem. Só na área de transporte estão previstas as licitações do trecho oeste do Rodoanel em São Paulo, que prevê R$ 2 bilhões no valor da outorga e investimento de cerca de R$ 804 milhões na melhoria das vias, além da construção da nova linha Expresso Aeroporto, que ligará a Estação da Luz ao Aeroporto de Cumbica, e da licitação para a parceria público privada (PPP) da Linha 5 do Metrô paulista.

Na área de logística, Dupui afirma que há cerca de seis a sete projetos de investimento em portos em análise para 2008, incluindo a licitação do Porto de Itajaí, que devem demandar entre R$ 300 milhões a R$ 600 milhões.

A diretora-gerente da área de investment banking do Banco Bradesco BBI, Denise Pavarina, afirma que 2008 deve ser um ano bastante aquecido para a área de project finance principalemente na área de energia, saneamento e logística. Neste ano, cerca de 57% dos projetos em carteira do banco foram do setor de energia, que somaram R$ 3 bilhões. Dos projetos previstos para 2008, 38% são do setor de energia e 31% de açúcar e álcool, que devem somar investimentos de R$ 20 bilhões. ´As áreas de energia e infra-estrutura devem apresentar grande demanda de financiamento em 2008 por conta dos projetos incluídos no Porgrama de Aceleração do Crescimento, mas os desembolsos devem ser liberados ao longo dos próximos anos´, afirma.

(Silvia Regina Rosa - InvestNews)