Feijão e carne puxam alta em dezembro

SÃO PAULO, 7 de janeiro de 2008 - O aumento apurado no custo da cesta básica, em todas as capitais foi impulsionado pela forte alta dos preços dos itens alimentícios essenciais. Segundo a Pesquisa Nacional da Cesta Básica realizada pelo Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos (Dieese) os preços de carne, leite, feijão, café e óleo de soja subiram em todas as 16 cidades pesquisadas.

Em dezembro, o aumento do custo da cesta básica, em dezembro, foi basicamente determinado pela forte elevação verificada no feijão, em todas as 16 capitais. Também subiu, em todas as cidades, o preço do óleo de soja. A carne, produto de maior participação no custo da cesta, teve alta em 15 localidades.

No ano, elevações extraordinárias apuradas no preço do feijão, com alta superior a 100,0% nas 10 capitais onde é pesquisado o produto da variedade cores, foram conseqüência das perdas registradas na terceira safra, colhida normalmente por volta de julho/agosto, praticamente perdida devido à forte seca, além da estiagem que prolongou-se até os últimos dias de outubro. A partir da próxima colheita, porém, o preço deve cair uma vez que os altos preços incentivaram o crescimento do plantio.

Batata e farinha de trigo (cujo preço é acompanhado no Centro-Sul do país) foram itens que aumentaram em todas as localidades onde fazem parte dos produtos essenciais. Por outro lado, tomate e açúcar registraram recuo generalizado.

A carne bovina, item de maior peso na cesta básica, registrou altas que variaram entre 12,11%, em João Pessoa, a 36,64%, em Belém. Além da seca que prolongou o período da entressafra, também a crescente demanda internacional e as festas de final de ano contribuíram para o produto ter terminado o ano em elevação.

O óleo de soja também apresentou forte alta em dezembro e subindo 46,59%, em Fortaleza e 37,91%, em Goiânia, capitais onde o aumento foi mais significativo. As menores variações ocorreram em Salvador (5,09%) e Aracaju (5,44%). Os preços deste item vêm subindo mês a mês, como conseqüência do preço da soja no mercado internacional e da forte demanda da China.

O aumento no preço do pão verificou-se em 14 capitais, com destaque para Salvador (24,30%) e Natal (22,08%). Houve recuo em Florianópolis (-1,26%) e Belo Horizonte (-1,72%). O trigo, matéria-prima para a feitura do pão, teve quebra de produção, este ano, tornando necessário o aumento da importação. Como a comercialização está se normalizando, os preços devem se estabilizar.

O tomate foi o produto que mais influenciou para frear a disparada do custo da cesta básica, registrando retração nas 16 capitais, com variações entre -2,69%, em Belém, e -34,42%, em Salvador. Produto com preço sempre sujeito a oscilações, registrou movimento altista ao longo do ano e recuo nos últimos meses. No entanto, seu preço médio no último mês, é inferior ao registrado em dezembro tanto de 2005, quanto de 2006.

O açúcar, cuja produção ganhou impulso com o aumento do plantio da cana, determinado pela crescente necessidade de álcool combustível, registrou, em 2007, queda no seu preço entre -13,38%, em Vitória e -40,17%, em Goiânia. A colheita da safra está praticamente concluída.

Em São Paulo, dos treze produtos que compõem a cesta do paulistano, seis registraram alta, com destaque para o feijão carioquinha (33,89%). Também subiram o óleo de soja (7,86%), a carne bovina de primeira (5,44%), o café em pó (2,99%), farinha de trigo (2,11%) e o pão francês (1,34%).

Mantiveram-se estabilizados os preços do leite in natura tipo C e da banana nanica. Cinco itens apresentaram retração: tomate (-9,47%), batata (-1,52%), manteiga (1,36%), açúcar refinado (-0,88%) e arroz agulhinha tipo 1(-0,67%).

(Silvia Regina Rosa - InvestNews)