LG desenvolve soluções para redução de consumo

SÃO PAULO, 26 de dezembro de 2007 - A LG Electronics (LG), líder global em tecnologia, pioneira na convergência de eletrodomésticos e maior fabricante de condicionadores de ar do mundo, anunciou recentemente que a empresa planeja aumentar seu negócio de soluções de energia para responder, de forma ativa, aos problemas energéticos e ambientais. Com isso, a LG espera que suas vendas globais cheguem a US$ 7 bilhões até 2010. A empresa espera também que a participação de condicionadores de ar comerciais na venda total de condicionadores de ar cresça de 30% para 50%, até 2010.

"Ao combinarmos nosso novo negócio de soluções de energia aos nossos condicionadores de ar, líderes do segmento, não só respondemos ativamente às necessidades de eficiência energética e de preservação ambiental do mercado, como também desenvolvemos um novo mecanismo de crescimento para futuros negócios", acredita o presidente e CEO da Digital Appliance, divisão do grupo LG Electronics, Young Ha Lee.

"Dados os constantes aumentos no preço do petróleo e as significativas mudanças climáticas, os produtos não agressivos ao meio ambiente e com eficiência energética estão se tornando cada vez mais importantes. A LG anunciou sua estratégia de gestão aliada à preservação do meio ambiente em 2005, e este é o próximo passo", disse.

A partir do ano que vem, a LG diversificará seus negócios, lançando serviços de solução de energia e sistemas com eficiência energética. A empresa planeja criar uma consultoria de energia, que será customizada para ajudar diferentes clientes a desenvolver sua própria gestão aliada à preservação do meio ambiente. Trabalhará com clientes durante todo o processo de criação de um sistema de energia para edifícios públicos, trocando sugestões para o planejamento, organização, supervisão operacional e manutenção do sistema.

Além disso, a LG irá colaborar com outras empresas e instituições acadêmicas para reforçar sua capacidade de pesquisa e desenvolvimento, e aumentará sua equipe de profissionais de vendas especializados em engenharia e sua equipe de pesquisa e desenvolvimento em 40% e 70%, respectivamente.

(Redação - InvestNews)