Oferta de trabalho cresce na Grande SP

SÃO PAULO, 28 de novembro de 2007 - Depois de permanecer estável nos últimos três meses, a taxa de desemprego nos 39 municípios da região metropolitana de São Paulo caiu, em outubro, passando de 15,1% para 14,4% da População Economicamente Ativa (PEA). No período, foram criadas 151 mil vagas, número suficiente para absorver as 93 mil pessoas que ingressaram no mercado de trabalho e ainda permitir a redução de 58 mil do estoque de desempregados. O total de pessoas que ainda esperava uma colocação, em outubro, somou l,482 milhão.

Os dados são da pesquisa realizada pela Fundação Sistema Estadual de Análise de Dados (Seade) e pelo Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos (Dieese). O coordenador técnico da pesquisa pela Fundação Seade, Alexandre Loloian, destacou que o crescimento de 1,7% no nível de ocupação se deve em grande parte ao dinamismo da construção civil e aos serviços domésticos.

´A construção civil nos surpreendeu, favoravelmente, crescendo 10% sobre setembro e 15% sobre outubro do ano passado e é visível na cidade de São Paulo a quantidade de residências e outras obras de infra-estrutura que vem sendo erguidas, observou Loloian.

Ele acredita numa tendência de manutenção do crescimento neste final de ano por conta do atendimento dos pedidos de produtos natalinos e da própria movimentação de contratos para o comércio. A sua projeção é de que a taxa de desemprego possa ser reduzida para um índice inferior a 14%.

"Esperamos que até o final do ano, a gente rompa a barreira dos 14% na região metropolitana de São Paulo´. A variação mais baixa dos últimos 12 meses foi registrada em novembro do ano passado (14,1%) e, na série histórica, em janeiro de 1997 (13,9%).

A pesquisa mostra ainda uma recuperação nos rendimentos médios pelo segundo mês seguido, com aumento de 2,7% no caso dos ocupados e de 2,9% para os assalariados, o que elevou os valores para R$ 1.140 e R$ l.207, respectivamente.

Outro indicador apontado como ´sinal positivo da economia´ por Loloian é o crescimento no número de trabalhadores com carteira assinada no setor privado de 2,9% sobre setembro e 6,8% sobre outubro do ano passado. Em outubro, foram 112 mil contratações a mais com carteira assinada.

As informações são da Agência Brasil.

(Redação - InvestNews)