Estrangeiros reduzem compras no futuro e dólar cai

SÃO PALO, 28 de novembro de 2007 - Acompanhando uma melhora geral de humor, que puxou a valorização da bolsas européias e nova-iorquinas, o dólar voltou a ser negociado abaixo de R$ 1,80. Os ingressos de recursos com a oferta de ações da BM&F e a menor pressão dos investidores estrangeiros por ajuste de posições no mercado futuro influenciaram positivamente sobre os negócios. O dólar fechou em queda de 2,23%, vendido a R$ 1,795.

"O cenário externo menos conturbado permitiu a recuperação das bolsas e também do real, mas as incertezas e a volatilidade seguem forte", comentou um profissional, destacando o pronunciamento do vice-presidente do Federal Reserve, Donald Kohn, que sugeriu que os juros podem voltar a cair na reunião de dezembro. "A recente turbulência no mercado financeiro reverteu alguns dos ganhos vistos em semanas anteriores e pode reduzir ainda mais a oferta de crédito a consumidores e empresas e as condições financeiras restritas podem merecer uma ação do Fed", disse.

Por isso, atenções na agenda de indicadores. Foi divulgado que a demanda por empréstimos hipotecários recuou 4,3% na semana passada e os pedidos por bens duráveis cederam 0,4% em outubro, pelo terceiro mês seguido. Já a venda de casas usadas caíram 1,2% em outubro, para o ritmo de vendas mais lento desde 1999.

Às 17 horas será divulgado o livro bege, sumário sobre as condições da economia norte-americana que servirá de base para a decisão de política monetária na próxima reunião do Federal Reserve, em 11 de dezembro. As apostas se dividem entre corte de 0,25 e 0,50 ponto percentual.

(Simone e Silva Bernardino - InvestNews)