BNDES vai avaliar bens não-físicos de empresas

SÃO PAULO, 30 de outubro de 2007 - A partir do próximo ano, o Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) pretende levar em conta os bens não-físicos das empresas, como os investimentos em tecnologia, conhecimento e transparência, na hora de analisar crédito e conceder empréstimos. A informação foi confirmada hoje (30) pelo presidente da instituição, Luciano Coutinho.

Ontem (29), a instituição havia anunciado uma parceria com a Coordenação de Programas de Pós-Graduação de Engenharia da Universidade Federal do Rio de Janeiro (Coppe/UFRJ) para criar um método para avaliar os bens não-físicos das empresas (também chamados de bens intangíveis), como marcas e patentes, design, e governança corporativa - maneira como a empresa é administrada. A metodologia está sendo testada em quatro empresas.

Coutinho participou hoje (30) do seminário internacional Avaliando o Capital Intangível no Brasil, promovido pelo Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior. Segundo o presidente do BNDES, os resultados dos testes desenvolvidos em conjunto com a Coppe/UFRJ contribuirão para o aperfeiçoamento dessa metodologia. 'Espero que, em 2008, a gente possa submeter à diretoria uma nova metodologia e que ela possa começar a ser implantada na avaliação das empresas, especialmente na área de alta tecnologia', destacou.

Para o presidente do BNDES, a adoção de estratégias inovadoras pelas empresas, apesar dos riscos e das incertezas, resulta em ganhos em termos de liderança e competitividade. Ele citou o exemplo do Japão, que adotou uma política de apoio aos capitais não-físicos, especializando-se em microeletrônica e semicondutores, dentro de uma política industrial baseada na inovação. Segundo Coutinho, quando transformada em produtos e processos, a inovação passa a ser quantificada, isto é, transforma-se em um ativo e pode ser patenteada.

As informações são da Agência Brasil.

(Redação - InvestNews)