Lucro da Redecard cresce 30,3% no terceiro trimestre

SÃO PAULO, 29 de outubro de 2007 - A Redecard, credenciadora das Bandeiras MasterCard e Diners Club International no Brasil, anunciou hoje crescimento de 30,3% no lucro líquido recorrente no terceiro trimestre deste ano em relação ao mesmo período do ano passado, que somou R$ 146,8 milhões. No ano, o lucro líquido acumulado é de R$ 545 milhões, contra R$ 397,4 milhões registrado no mesmo período do ano passado.

A receita operacinal líquida da empresa cresceu 17,1% no período, para R$ 512,2 milhões, com o crescimento de 9,9% na rede credenciada, que ao final de setembro de 2007 alcançou a marca de 1.098.130, enquanto a base de estabelecimentos ativos cresceu 15,3% no mesmo período. A rede ainda registrou crescimento de 18,3% na base de POS instalados, que atingiu no final de setembro uma base de 731,6 mil unidades instaladas.

O Ebitda (lucro antes de juros, impostos, depreciações e amortizações) ajustado cresceu 24,7% no terceiro trimestre em relação ao mesmo período do ano passado, alcançando R$ 321,8 milhões. A margem Ebitda ajustada foi de 62,8% no período comparada a 59% no terceiro trimestre de 2006.

Com volume financeiro de transações recorde, a Redecard capturou, processou e liquidou R$ 25,3 bilhões em transações com cartões de crédito e débito no terceiro trimestre, representando um crescimento de 22,8% em relação ao mesmo período do ano anterior. Como resultado, o montante acumulado até setembro de 2007 foi de R$ 71,4 bilhões, ou aproximadamente 23,0% superior ao registrado no mesmo período de 2006. O volume financeiro de transações com cartões de crédito passou de R$ 14.380 bilhões no terceiro trimestre de 2006, para R$ 17.036 bilhões no terceiro trimestre de 2007. Já com cartões de débito passou de R$ 6.261 bilhões para R$ 8.282 bilhões.

Além da atividade de credenciamento de estabelecimentos e captura, transmissão, processamento e liquidação financeira das transações com cartões de crédito e débito, a companhia oferece outros produtos e serviços aos seus clientes, como o aluguel dos equipamentos para captura eletrônica de transações (POS), o pré-pagamento de recebíveis aos estabelecimentos, referentes às vendas por eles realizadas com cartões de crédito, o serviço de consulta de cheques por meio dos seus equipamentos POS, além dos serviços de captura e transmissão de transações realizadas com cartões de benefícios (Voucher) e com cartões de lojas (Private Label).

A empresa, que tem entra os maiores acionistas o Itaucard, Unibanco e Citibank, abriu o capital em julho deste ano, levantando R$ 4,64 bilhões, segunda maior Oferta Pública Inicial (IPO) do ano, atrás apenas da operação da Bolsa de Valores de São Paulo (Bovespa).

(Silvia Regina Rosa - InvestNews)