Diamante azul quebra recorde mundial em leilão em Hon Kong

REUTERS

HONG KONG - Uma das pedras preciosas mais raras do mundo, um diamante azul sem falhas, foi vendida por 7,98 milhões de dólares em leilão da Sotheby''s em Hong Kong, tornando-se a pedra preciosa mais cara do mundo, por quilate, já vendida em leilão.

Após uma disputa intensa de lances, o diamante azul internamente ímpar, sem qualquer falha, foi arrematado por 1,32 milhão de dólares por quilate. O preço quebrou um recorde de 20 anos mantido até então pelo diamante vermelho conhecido como "Hancock Red", que, segundo a Sotheby''s, foi vendido na época por 926 mil dólares por quilate.

De acordo com a casa de leilões, o diamante azul foi comprado pela joalheria Moussaieff, de Londres, que tem a reputação de adquirir pedras preciosas extremamente caras e raras. O vendedor foi um colecionador asiático particular.

Os diamantes azuis fascinam os ricos e poderosos há muitos anos, sendo vistos como detentores de um certo mistério sombrio. O célebre diamante "Hope", cinza-azulado de 45,52 quilates, foi repassado ao longo dos anos do rei Luís 14 da França para a rainha Maria Antonieta e a herdeira americana Evalyn Walsh McClean, entre outros. Hoje, pertence ao Instituto Smithsonian, em Washington.

Consta que o sultão de Brunei comprou outro diamante azul maciço que apareceu por pouco tempo na década de 1980.

O diamante vendido agora pela Sotheby''s, embora não seja grande, possui um formato valorizado e um tom "azul fantasia vívido", fatores que contribuíram para seu preço alto, aproximadamente dez vezes superior ao preço por quilate de diamantes brancos normais.

Outros diamantes coloridos, em tons de rosa ou vermelho, podem ser encontrados em várias partes do mundo, incluindo Brasil, Índia e Austrália, mas os diamantes azuis são encontrados praticamente apenas em um lugar: a mina Premier, na África do Sul.