Cresce expectativa de manutenção da Selic

SÃO PAULO, 8 de outubro de 2007 - Frente às recentes sinalizações do Banco Central com relação às preocupações com o quadro de atividade e inflação, parece que uma parada técnica no ciclo de flexibilização da política monetária está mais próxima do que se esperava. Essa pelo menos é a avaliação dos economistas do Banco Fibra, que reconhecem que as chances de manutenção na taxa Selic aumentaram, porém, preferem manter a aposta de redução de 0,25 ponto percentual na reunião do Comitê de Política Monetária deste mês. Atualmente a taxa Selic está em 11,25% ao ano.

Para a equipe econômica do Banco Fibra, o bom desempenho recente e as ótimas perspectivas para os investimentos devem reduzir o descasamento entre as condições de oferta e demanda, evitando maiores pressões sobre os preços em um horizonte de médio prazo. "Cabe reconhecer, no entanto, que os riscos a este cenário aumentaram".

Os indicadores de inflação que serão divulgados ao longo da semana podem dar sustentabilidade as novas projeções do mercado para o juro básico da economia. Um dos indicadores mais esperado sairá na próxima quarta-feira, é o Índice de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) - que baliza a meta de inflação - de setembro.

Pela manhã, os investidores monitoraram o Boletim Focus, que trouxe um discreto ajuste na expectativa para o IPCA ao final do ano, de 4% para 4,01%. Em relação a taxa Selic a expectativa de corte de 0,25 ponto na reunião do Copom deste mês foi mantida.

Na Bolsa de Mercadorias e Futuros o dia foi de poucos negócios decorrente do feriado em comemoração pelo "Dia de Colombo" nos Estados Unidos. O contrato de Depósito Interfinanceiro de janeiro de 2010 projetou juro anual de 11,32%, ante 11,29%.

(Maria de Lourdes Chagas - InvestNews)