Ceia de Natal vai ficar mais cara neste ano

Gazeta Mercantil

SÃO´PAULO - O Natal de 2007 tende a ser mais salgado que o do ano passado para produtos nacionais. As indústrias de aves e suínos planejam reajustar os preços dos produtos das festas de fim de ano acima de 10% por conta da demanda e do aumento dos insumos. Por motivos semelhantes, fabricantes de panenotes colocaram o produto nos supermercados com valores de 3% a 10% mais altos que os cobrados em 2006.

- Quem pagar o prêmio melhor leva - diz Sérgio Fonseca, diretor de vendas no Brasil da Sadia, referindo-se à concorrência entre os mercados doméstico e internacional. Segundo ele, no caso dos suínos a demanda chinesa pode fazer com que parte da produção seja exportada e o consumidor brasileiro tenha de pagar mais. Além disso, as carnes ficaram mais caras devido a insumos como o milho, que subiu mais de 50% em 2007.

Para os panetones, o vilão foi o trigo, que subiu 90% neste ano. A Arcor elevou seus preços em 10 %.

- Apesar de significativo, esse aumento não deve alterar o hábito das pessoas - afirma Rodrigo Peçanha, gerente de marketing de biscoitos e panificados da empresa.

A valorização do real pode minimizar a conta da ceia, com a substituição das carnes por bacalhau, além de colocar mais frutas importadas na refeição.

- Se a indústria aumentar os preços acima do crescimento da massa salarial, o consumidor troca de produto - diz Fábio Silveira, economista da RC Consultores.