Índice futuro aponta abertura em alta

SÃO PAULO, 20 de agosto de 2007 - A semana começa mostrando recuperação nas principais praças acionárias do mundo, indicando que o mercado se animou com a decisão do Federal Reserve (Fed, o banco central dos Estados Unidos), anunciada na última sexta-feira, de reduzir de 6,25% para 5,75% a taxa de redesconto interbancário. Ação refletiu o esforço da autoridade monetária norte-americana de reestabelecer a tranqüilidade nos mercados financeiros. Há pouco, o Ibovespa com vencimento em outubro subia 1,34%, para 49.300 pontos, na Bolsa de Mercadorias e Futuros (BM&F).

Na Ásia, as bolsas de valores mais importantes encerram o pregão com forte alta mostrando que a iniciativa do Fed já surtiu algum efeito. Em Hong Kong, fechou com alta de 5,93, e em Seul a valorização foi de 5,69%. Na Bolsa de Xangai, o índice composto subiu 5,33%.

O comportamento positivo também é observado nas principais bolsas européias. Há pouco, o índice DAX da Alemanha registrava elevação de 0,57%, já o londrino FTSE-10 avançava 1,19% e o CAC-40 de Paris subia 1,36%.

Na cena doméstica, os investidores dirigem as atenções para o noticiário e também repercutem dados do Boletim Focus, balança comercial e de inflação na capital paulista que subiu 0,17% na segunda prévia de agosto. Pela manhã, o presidente Luiz Inácio Lula da Silva afirmou, em seu programa semanal Café com o Presidente, que o Brasil não está com medo das consequências da crise imobiliária dos Estados Unidos, já que possui segurança para eventual especulação financeira e uma reserva de US$ 160 bilhões.

(Vanessa Stecanella - InvestNews)