Dólar segue melhora externa e cai mais de 3%

REUTERS

SÃO PAULO - O dólar operava em forte queda nesta sexta-feira, se aproximando novamente da barreira dos 2 reais, acompanhando a melhora dos mercados internacionais após uma decisão inesperada do banco central norte-americano para dar mais liquidez ao sistema bancário.

Às 09h59, a moeda norte-americana caía 3,39 por cento e era cotada a 2,023 reais, após descer a 2,019 na mínima do dia. Na véspera, o dólar fechou a 2,094 reais e chegou a subir mais de 5 por cento durante a sessão.

A mudança de humor no cenário externo, com forte alta nas bolsas de valores e queda expressiva do risco de países emergentes, interrompeu a saída de investidores estrangeiros no país e fazia o dólar recuperar terreno de rapidamente.

- Hoje está parecendo que deu uma acalmada, mas a volatilidade do mercado está alta e a tendência é continuar alta pelo menos no curtíssimo prazo - disse Francisco Carvalho, gerente de câmbio da corretora Liquidez.

O mercado foi surpreendido pela decisão do Federal Reserve, que cortou a taxa de redesconto em meio ponto percentual por considerar que os riscos ao crescimento aumentaram de forma significativa.

A taxa é usada em empréstimos diretos do banco central para os bancos comerciais. A taxa básica de juro, de 5,25 por cento ao ano, foi mantida.

Segundo Jorge Knauer, gerente de câmbio do Banco Prosper, a decisão do Fed tranquiliza os investidores e pode indicar que o momento mais tenso já tenha passado.

- Não acho efetivamente que a crise de liquidez tenha acabado, mas não tenho a menor dúvida de que estamos dando o passo em direção a um mercado menos arisco - comentou.

Carvalho disse que o mercado de câmbio retorna às condições anteriores à turbulência com a melhora no cenário externo.

- Com o mercado se acalmando, o dinheiro retorna para o Brasil e o dólar volta a ter fluxo (de entrada de investidores estrangeiros) - comentou.