Crise pode afetar preço de IPO's,diz Figueiredo

SÃO PAULO, 17 de agosto de 2007 - Após a atual turbulência financeira, a volta do recesso das operações no mercado de capitais nos Estados Unidos e Europa em setembro deve ser marcada por investidores mais seletivos em relação à escolha e precificação dos ativos. 'O mercado vai estar mais racional e os ativos dos IPO's (Oferta Pública Inicial) devem alcançar uma precificação menor', afirma Luiz Fernando Figueiro, sócio-diretor da Mauá Investimentos e ex-diretor de Política Monetária do Banco Central.

Para ele, as empresas com bons ativos irão conseguir ter sucesso na oferta, mas se a opção de realizar o IPO for por motivos de dívida é melhor esperar o mercado se normalizar. 'Os preços dos ativos brasileiros se distanciaram muito dos fundamentos brasileiros mais que outros lugares do mundo, e agora eles tendem a convergir para a economia real', afirma.

Para ele, os ativos brasileiro sofreram forte impacto nos últimos dias por conta da alta liquidez no mercado brasileiro, o que faz com que os investidores estrangeiros realizem uma forte saída de capitais.

O CEO de Investimentos do Principal Financial Investors, Jim McCaughan, afirma que dependendo de quanto o contágio dessa crise chegar ao mercado de capitais seria mais difícil realizar novas operações neste segundo semestre, e que os investidores devem se tornar mais realistas em termos de precificação.

(Silvia Regina Rosa - InvestNews)