Empresários do Rio gastam R$ 1,05 bi com segurança

SÃO PAULO, 8 de agosto de 2007 - Os empresários do Estado do Rio de Janeiro gastaram R$ 1,05 bilhão em segurança no primeiro semestre de 2007, o que representa 1,97% do faturamento do setor, segundo pesquisa da Fecomércio-RJ.

O montante ficou abaixo do registrado tanto no primeiro semestre de 2006 (2,09%), quanto do apurado para os últimos seis meses do mesmo ano (2,55%). Os gastos em segurança no ano passado totalizaram R$ 2,63 bilhões, sendo R$ 1,09 bilhão no primeiro semestre.

"Este ano, uma parcela significativamente maior de empresários declarou ter aplicado mais recursos em segurança, apesar dos gastos terem sido menores. A explicação é que o comércio tem realizado gastos consecutivos na área, e que, muitos deles, depois de feitos, necessitam apenas de manutenção. A realidade é que o investimento em segurança tornou-se essencial, demandando recursos que poderiam ser alocados para áreas como treinamento de pessoal, tecnologia, marketing e ações sociais", explica Orlando Diniz, presidente da Fecomércio-RJ.

Desde o início da pesquisa, a média de gastos em segurança é de 2,40% do faturamento o que, em valores corrigidos com base em 2001, representa R$ 14,84 bilhões. O investimento visa minimizar a seguinte estatística: entre os estabelecimentos visitados no primeiro semestre de 2007, 6,90% haviam sido assaltados, furtados ou roubados nos seis meses anteriores, percentual abaixo da média apresentada para o mesmo período ao longo da série (7,57%). As demais taxas para o primeiro semestre foram: 8,97% (2006), 9,39% (2005), 5,75% (2004), 5,53% (2003) e 8,86% (2002).

Entre os entrevistados, 37,98% haviam efetuado gastos especiais com segurança nos primeiros seis meses do ano. Os percentuais para os mesmos períodos dos anos de 2002 a 2006 haviam sido: 38,21%, 31,56%, 31,31%, 17,45% e 19,75%, respectivamente.

Para deixar seus estabelecimentos mais seguros no primeiro semestre de 2007, os empresários investiram, principalmente, em sistemas de alarme (13,15%), câmeras (10,68%), segurança particular (8,04%), vigia noturno (4,84%), segurança externa (3,74%) e segurança de condomínio (3,11%). Em 2006, os gastos distribuíram-se da seguinte forma: 17,15%, segurança particular; 16,79%, sistemas de alarme; 20,07% câmeras; 11,86%, segurança externa; 6,57%, segurança de condomínio; e 4,38%, vigia noturno.

Dentre os segmentos pesquisados, os que mais investiram em segurança no primeiro semestre foram os de Autopeças (3,63% do faturamento), Hotelaria (3,10%), Diversão (2,97%) e Farmácia (2,86%).

A pesquisa Segurança nos Estabelecimentos do Comércio de Bens, Serviços e Turismo é realizada pela Fecomércio-RJ a cada seis meses. Foram entrevistados 2.883 empresários, de 26 setores de atividade do Estado do Rio de Janeiro.

(Redação - InvestNews)

Utilizamos cookies essenciais e tecnologias semelhantes de acordo com a nossa Política de Privacidade.
Ao continuar navegando, você concorda com estas condições.
Saiba mais