Embraer anuncia venda de até 40 aviões para BRA

REUTERS

SÃO PAULO - A Embraer anunciou nesta quarta-feira uma encomenda da empresa aérea BRA por até 40 aviões de 118 passageiros, em um negócio que pode chegar a 1,46 bilhão de dólares. Trata-se do primeiro pedido de uma companhia brasileira por esses jatos.

O acordo comercial preliminar --assinado durante a Paris Air Show, maior feira aeronáutica do mundo-- envolve pedido firme por 20 aviões Embraer 195, por 730 milhões de dólares a preços de tabela, e outras 20 opções de compra do mesmo modelo.

As ações da Embraer chegaram a subir quase 4% no início dos negócios na Bolsa de Valores de São Paulo, mas desaceleravam a alta e avançavam 0,96% às 11h21. No mesmo horário, o índice Bovespa registrava desvalorização de 0,16%.

A BRA já negociava com a Embraer há tempos. Segundo a companhia aérea, a escolha da fabricante nacional como fornecedora foi confirmada em dezembro passado, após o ingresso de novos investidores institucionais na empresa aérea.

A decisão foi motivada pelo Embraer 195 ter autonomia para atender a mais de metade das ligações realizados hoje no Brasil em vôos diretos.

- Estamos investindo na expansão da frota para atender ao crescente aumento da demanda - afirmou o presidente-executivo da BRA, Humberto Folegatti.

Os novos jatos Embraer 195 da BRA, que atualmente opera uma frota composta exclusivamente por aviões da norte-americana Boeing, serão configurados com 118 assentos em classe única. O início das entregas está previsto para o segundo semestre de 2008.

A BRA também assinou contrato de leasing com a GE Commercial Aviation Services (Gecas) para operar outros dois jatos Embraer 195 novos. A primeira entrega desses aviões ocorrerá no primeiro semestre do ano que vem.

A BRA é parte dos negócios de turismo de Folegatti, que incluem ainda a operadora PNX e a cadeia de hotéis HWF.

Em dezembro, um grupo de investidores incluindo o Goldman Sachs e o Bank of America comprou 20% da companhia aérea por valor não revelado.

A companhia aérea foi fundada em agosto de 1999 e operava vôos charter (fretados) até o final de 2005, quando tornou-se uma empresa regular.

Atualmente, a frota da BRA é composta por oito aeronaves Boeing 737 e duas 767-300/ER.

Nos próximos dois meses, a empresa receberá outros dois aviões 767-300/ER para ampliar suas frequências de vôos regulares para Espanha, Portugal, Itália e Marrocos.

A BRA ficou com 2,97% do mercado doméstico de janeiro a maio e 7,22% do internacional, segundo dados da Agência Nacional de Aviação Civil (Anac).

A TAM, que negociou a compra de jatos Embraer mas optou pela fabricante européia Airbus, é a líder, com market share de 49,07% no mercado interno nos cinco primeiros meses do ano e de 65,21% nas rotas internacionais.

O negócio da Embraer com a BRA foi o terceiro anunciado pela fabricante durante a Paris Air Show, que acontece no aeroporto de Le Bourget.

Na segunda-feira, a Embraer assinou contratos com a alemã Lufthansa por 30 jatos Embraer 190 e com a Japan Airlines para 10 aviões Embraer 170.