Ministério estuda apoio a certificação de produção familiar orgânica

Agência JB

RIO - O Ministério do Desenvolvimento Agrário quer ampliar o número de produtores familiares orgânicos certificados e de certificadoras com possibilidade de apresentar mais projetos nessa área ao governo. Segundo Luis Carlos Rebellato, consultor em Comercialização do ministério, a fórmula para atingir esse objetivo ainda está em estudo.

Rebelatto diz que o mercado de orgânicos no país movimentou no ano passado R$ 500 milhões. A produção de orgânicos pela agricultura familiar somou 300 mil toneladas nesse período, sendo que em torno de 65% desse volume foram destinados à exportação e 35% ao mercado doméstico.

Segundo estima o consultor, cerca de 12 mil a 15 mil produtores orgânicos, do universo de 20 mil produtores desse tipo de alimento no Brasil, têm seus produtos certificados. Dessas 20 mil famílias, 80% são agricultores familiares, de acordo com Rebellato. Ele conta que uma primeira experiência de certificação com grupos esporádicos e isolados foi efetuada pelo MDA durante a safra 2004/05, com a participação da Secretaria de Desenvolvimento Territorial.

Na safra 2006/07 ocorreu de fato a experiência piloto com a Secretaria de Agricultura Familiar (SAF) do MDA, envolvendo uma certificadora de produtos orgânicos. O projeto teve por objetivo apoiar o primeiro ano da conversão dos agricultores familiares para que entrassem no mercado de orgânicos certificados. Nos próximos anos, a meta é que eles possam usar recursos advindos da própria atividade orgânica para pagar esse serviço, revelou Rebellato.

Essa experiência piloto realizada de forma mais organizada certificou 750 famílias de agricultores, organizadas em 30 grupos de associações e cooperativas. O subsídio do governo, pago através do MDA, alcançou o valor total da certificação, que foi de R$ 150 mil.

- A modalidade de certificação em grupo, que diminui o custo por família, foi a estratégia que a gente utilizou para poder acessar um número maior de famílias com um número menor de recursos - afirma.

Para 2007, Rebellato diz que o ministério já está fazendo divulgação do projeto para outras certificadoras "para que mais projetos dessa natureza possam vir e um número maior de recursos e de famílias possam ser contemplados".