Cenário externo e Copom centram atenções

SÃO PAULO, 6 de junho de 2007 - Nesta quarta-feira, o comportamento das bolsas internacionais segue ditando o rumo das negociações na Bolsa de Valores de São Paulo (Bovespa). Os investidores assimilam dados sobre a produtividade e custo da mão de obra nos EUA e aguardam a decisão do Comitê de Política Monetária (Copom).

A previsão é que de o Departamento do Trabalho indique um crescimento de 1% na produtividade do primeiro trimestre. Esta será a segunda revisão dos dados.

No fronte interno, a expectativa, já precificada, é de corte de 0,5 ponto percentual na Selic, atualmente 12,50% ao ano. No entanto, qualquer reação do mercado ficará restrita à sexta-feira, dado o feriado que acontece na quinta-feira.

No pregão de ontem, o Ibovespa acompanhou o mercado norte-americano, que reagiu às declarações do presidente do Federal Reserve (Fed, o banco central norte-americano), Ben Bernanke, que indicou que a economia deve ganhar força mesmo com a continuidade do ajuste no setor imobiliário. A leitura das declaração por parte de Wall Street é de menor probabilidade de uma retração nos juros, dada a chance de retomada no ritmo econômico.

O Ibovespa, que chegou a cair mais de 1% durante o pregão, reverteu parte das perdas na última meia hora de sessão, encerrando em queda de 0,15%, aos 53.162 pontos. Em Nova York, Dow Jones e Nasdaq caíram 0,59% e 0,27%, respectivamente.

(Eduardo Campos - InvestNews)