Atenções voltam-se para reunião do Copom

SÃO PAULO, 6 de junho de 2007 - As apostas em relação ao rumo da taxa Selic, fixada em 12,50% ao ano, já foram feitas, agora resta saber a decisão do Comitê de Política Monetária (Copom), que definirá no final do dia a trajetória do juro do País. No mercado de renda fixa, a expectativa majoritária dos agentes financeiros é de que a taxa de juro básica da economia vai cair 0,50 ponto percentual.

Na Bolsa de Mercadorias e Futuros (BM&F), o contrato de Depósitos Interfinanceiro (DI) de julho próximo que concentra as apostas para o encontro, precifica um corte 0,50 ponto. Este DI aponta taxa anual de 12,02%.

Para profissionais de renda fixa, fatores como inflação corrente se desacelerando e expectativas cada vez mais baixas justificam a expectativa de boa parte do mercado em relação a um corte de 0,50 ponto da taxa Selic. Pela manhã foi divulgado o resultado do Índice Geral de Preços - Disponibilidade Interna (IGP-DI) que subiu 0,16% em maio, frente alta de 0,14% verificada em abril.

Ainda na cena interna, o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) informou que o Índice de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) aumentou 0,28% em maio, após incremento de 0,25% em abril. As projeções dos analistas financeiros que participaram do último relatório de mercado produzido pelo Banco Central (BC) eram de 0,21%. O Índice Nacional de Preços ao Consumidor (INPC) apresentou alta de 0,26% em maio, mesmo resultado de abril.

(Maria de Lourdes Chagas - InvestNews)