Meta de inflação deve ser fixada em 4%, diz Nóbrega

SÃO PAULO, 5 de junho de 2007 - Ao comentar sobre a definição da meta de inflação para 2009, o ex-ministro da Fazenda e sócio da consultoria Tendências, Mailson da Nóbrega, afirmou que o governo deve reduzir a meta de inflação para 4%, com a manutenção da banda de variação. ´O presidente Lula vai notar que o povo brasileiro não está disposto a pagar um alto preço pela inflação e que poderá abaixar essa meta sem nenhum custo´, disse ontem, durante seminário promovido pelo Ibmec.

O ministro da Fazenda, Guido Mantenga, anunciou ontem que é a favor da manutenção da meta de inflação de 4,5% para os próximos anos, número, que segundo ele, possibilitou compatibilizar um juro cadente, inflação sob controle e o crescimento econômico. Mantega ressaltou que nada impede de se atingir uma taxa abaixo da meta de inflação, mas que a adoção de uma meta abaixo de 4,5%, pode provocar a necessidade de elevação dos juros básicos por parte do Banco Central, que poderia comprometer o crescimento econômico.

O Conselho Monetário Nacional (CMN) deve se reunir no dia 26 para estabelecer a meta de inflação para 2009.

Nóbrega defendeu a manutenção da política econômica pelo governo Lula e ressaltou que o Brasil está numa trajetória de crescimento sustentável, cuja manutenção dependerá de reformas.

Ele destacou que a reforma fiscal que envolve a mudança da cobrança de ICMS (Imposto de Circulação de Mercadorias e Serviços) é a que tem maior chance de ser realizada neste segundo mandato. "O governo está conduzindo melhor as negociações nesse segundo governo e os Estados começaram a perceber o custo da guerra fiscal", afirmou.

(Silvia Regina Rosa - InvestNews)