Dólar reage a possibilidade de Fed não cortar juros

SÃO PAULO, 5 de junho de 2007 - O dólar fechou a manhã em alta de 0,78%, vendido a R$ 1,942, com os investidores monitorando a reação externa a dados dos Estados Unidos e os comentários do presidente do Federal Reserve (Fed, banco central norte-americano), Ben Bernanke. Os dados foram vistos como sinais de que o Fed não deve cortar os juros no curto prazo, atualmente fixado em 5,25% ao ano.

O chairman do Fed disse que a economia norte-americana deve manter o ritmo de crescimento moderado e voltou a alertar que os riscos de inflação prevalecem, reduzindo as chances de afrouxamento monetário. O rendimento dos treasuries passou a subir e os de dez anos, referência para o mercado, subia de 4,93% para 4,96%.

Reforçando a visão de Bernanke, foi divulgado que o setor de serviços americano ganhou força durante o mês de maio atingindo o maior patamar em um ano. De acordo o Instituto de Gerentes de Compras (ISM), o índice de atividade subiu para 59,7 pontos no mês passado, contra os 56 pontos registrados em abril, enquanto que a previsão era de alta para 55,8 pontos.

Internamente, o mercado aguarda para amanhã, no final do dia, a decisão do Comitê de Política Monetária (Copom) sobre os juros. A grande maioria dos economistas aposta em aceleração no corte dos juros, para 0,50 ponto percentual. E os dados da produção industrial reforçaram esta visão. Em abril, a indústria apresentou queda de 0,1%, interrompendo uma seqüência de seis meses consecutivos.

(Simone e Silva Bernardino - InvestNews)