Burocracia emperra expansão do etanol, diz Soros

SÃO PAULO, 5 de junho de 2007 - A burocracia da legislação brasileira é um dos fatores que ainda emperra a maior expansão do mercado de etanol no País. A opinião é do megainvestidor norte-americano George Soros, que participou hoje do seminário Ethanol Summit, em São Paulo. "Acho que o País tem potencial para aumentar (a produção de etanol) em até 10 vezes, mas o marco regulatório ainda não permite", dissse o investidor.

Tal obstáculo, em sua opinão, precisa ser resolvido para ampliar a produção do biocombustível no País. Segundo Soros, o Brasil tem a oportunidade "real" de fornecer etanol para o resto do mundo, principalmente diante do aquecimento global. No entanto, o País se depara também com as barreiras tarifárias de países como Estados Unidos, que também representam obstáculos ao setor.

Apesar de já investir na produção de etanol no Brasil, Soros declara que ainda há muito o que aprender nesse segmento. "É por esta razão que eu vim para o Brasil", declara Soros.

Ele afirmou que ainda é um especulador no mercado brasileiro de etanol, disposto a investir nesse nicho. "Tenho encontrado muitas parcerias no País e estou disposto a investir na produção do álcool", ressaltou.

(Viviane Monteiro - InvestNews)