BC Europeu subirá juros para 4% para evitar inflação a médio prazo

Agência EFE

FRANKFURT - O mercado financeiro prevê que o conselho do Banco Central Europeu (BCE) subirá na quarta-feira a taxa de juros da zona do euro para 4%, por causa das pressões inflacionárias a médio prazo.

Analistas dizem que, nos próximos meses, haverá mais pressões de alta sobre os preços, que farão com que o BCE suba mais as taxas no segundo semestre, para mais de 4%.

Dos 52 analistas entrevistados pela agência Dow Jones Newswires, 32 previram que o BCE aumentará as taxas de juros para 4,25% até o fim de ano.

Os analistas do banco alemão Hypovereinsbank (HVB) consideram que o banco publicará esta semana um reajuste de suas previsões de inflação para 2007, por causa do recente aumento nos preços do petróleo e dos alimentos.

Embora os analistas do banco Postbank digam que os preços baixarão ligeiramente na eurozona até julho, prevêem um aumento no segundo semestre e uma inflação acima de 2%, ou seja, superior ao limite estabelecido pelo BCE.

Os analistas do HVB também consideram que a partir de setembro a energia começará a empurrar a inflação para acima da meta do BCE, que é uma taxa próxima - mas sempre abaixo - de 2%.

Os analistas do Postbank acrescentaram que 'a expansão da base monetária e do crédito, combinada com um forte crescimento econômico, é um risco potencial para a inflação' a médio prazo.

A base monetária cresceu menos que o previsto em abril: 10,4%, em comparação com o mesmo mês de 2006, mas muito acima dos 4,5% recomendados pelo BCE para assegurar que não haverá pressões inflacionárias.

O HVB alertou para riscos de alta sobre os preços a médio prazo pelo aumento da capacidade de utilização das instalações produtivas até níveis máximos, o aumento do emprego e reajustes dos salários.