Volume de contratos sobe quase 30% em maio na BM&F

SÃO PAULO, 1 de junho de 2007 - O volume total de contratos de dólar futuro negociados na Bolsa de Mercadorias e Futuros (BM&F) vêm crescendo mês a mês, com os investidores em busca de hedge, ou simplesmente, atrás de ganhos de capitais.

Entre abril e maio, a demanda por estes contratos cresce 28,28%. Na comparação anual, a alta é ainda maior, de 39,88%, com a quantidade subindo de 5.647,945 milhões para 7.900,361 milhões e a média diária de 256,725 mil para 359,107 mil.

Hoje, os papéis com resgate em julho, mais líquido, movimentou US$ 44,8 bilhões em 469,5 milhões de contratos. Janeiro de 2008, segundo mais transacionado, teve giro de US$ 92 bilhões, em 970 contratos. Setembro de 2007 movimentou US$ 60,7 bilhões, depois de 630 negócios.

A perspectiva de que o dólar seguirá sua tendência de queda, conforme estimam os analistas, reforçam a visão de que o mercado de derivativos só tem à se expandir. No boletim Focus desta semana, o mercado financeiro manteve, pela segunda apuração consecutiva, a aposta de que o câmbio terminará o ano em R$ 2,00.

Duas são as principais classes de razões que justificam a atuação dos investidores no mercado futuro de dólar: especulação e cobertura (hedge). Um especulador compra ou vende só se espera ganhar com a transação. Já um hedger pode comprar ou vender com expectativa de perder dinheiro naquela transação, desde que a referida transação lhe possibilite reduzir o risco de seu portfólio inteiro.

(Simone e Silva Bernardino - InvestNews)