Começa liberação de rebeldes das Farc na Colômbia

SÃO PAULO, 1 de junho de 2007 - O processo de libertação em massa de guerrilheiros das Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (Farc) que estão presos começou nesta sexta-feira. Mais de 200 rebeldes foram levados a um centro de reclusão temporário em Chiquinquirá, a 140 km ao norte de Bogotá. Uma nota da presidência divulgada à tarde destacou "que era falsa a informação sobre um chefe rebelde a ser libertado, Rodrigo Granda, que se encarregaria de apresentar uma prova de vida da política de nacionalidades francesa e colombiana, Ingrid Betancourt, ao presidente francês Nicolás Sarkozy'.

O traslado dos guerrilheiros presos é um gesto do presidente Alvaro Uribe do qual ele espera um ato recíproco das Farc, com a liberação de 56 reféns, entre eles três americanos e também Ingrid Betancourt.

Argumentando uma "razão de Estado" ainda não revelada, Uribe anunciou há uma semana que até 7 de junho começaria o plano unilateral para pressionar a libertação dos 56 reféns que as Farc exigem em troca de 500 rebeldes presos. Na semana passada, o vice-líder das Farc, Raúl Reyes, recusou a oferta reiterando que o intercâmbio humanitário deve ser negociado em uma zona desmilitarizada de 800 m2 no sudoeste do país, condição a que o presidente se opõe.

(Redação com agências internacionais - InvestNews)