Lucro da InBev sobe 68% no primeiro trimestre de 2007

Agência EFE

BRUXELAS - O maior fabricante de cervejas do mundo, o belga-brasileiro InBev, obteve um lucro líquido de ¬ 280 milhões no primeiro trimestre de 2007, o que significa um aumento de 68% em relação ao registrado no mesmo período de 2006 (¬ 166 milhões), informou hoje a companhia.

A venda de cervejas da InBev registrou um crescimento interno de 6,7%, uma percentagem superior ao do mercado cervejeiro, e chegou a 48,85 milhões de hectolitros. O volume total de vendas ficou em 59 milhões de hectolitros e subiu 7,1%, segundo a empresa.

O Ebitda (resultado bruto de exploração) cresceu 17,8%, a ¬ 962 milhões, enquanto o Ebit (resultado líquido de exploração) aumentou 23,7%, para ¬ 708 milhões.

O valor dos negócios da InBev chegou a ¬ 3,05 bilhões e subiu 8,9% em relação ao primeiro trimestre de 2006.

A empresa atribuiu os bons resultados ao crescimento do volume de vendas em países como os da América Latina e à manutenção dos custos "sob controle'.

O diretor-geral da InBev, Carlos Brito, ressaltou os bons resultados na América Latina, na Europa Central e no Leste Europeu.

Dentro da América Latina, a companhia distingue o setor norte - Brasil, República Dominicana, Equador, Guatemala, Peru e Venezuela -, onde o volume de vendas aumentou 5,6% (4,7% em cervejas e 7,9% em outros produtos) e chegou a 23,12 milhões de hectolitros.

No Brasil, as vendas de cerveja cresceram 5,1%, embora a InBev tenha perdido fração de mercado, que passou de 68,7% no primeiro trimestre de 2006 a 67,6% nos três primeiros meses de 2007.

A empresa informou que no setor sul da América Latina - Argentina, Bolívia, Chile, Paraguai e Uruguai - houve bons resultados, com um crescimento de 11,4% nas vendas (8,7% em cervejas e 15,9% em outros produtos).

Na América do Norte, as vendas caíram 2,3%; na Europa Ocidental registraram queda de 1,1% no primeiro trimestre; na Europa Central e do Leste subiram 22,7%, e na Ásia-Pacífico aumentaram 6,6%.