Brasil perde 5 posições em ranking de competitividade

REUTERS

SÃO PAULO - O Brasil perdeu cinco posições no ranking de competitividade global de 2007, afetado principalmente por uma das piores situações do mundo em eficiência do governo.

O Relatório de Competitividade Mundial, divulgado nesta quinta-feira, coloca o Brasil em 49º lugar em uma lista de 55 países, à frente apenas de África do Sul, Argentina, Polônia, Croácia, Indonésia e Venezuela.

- O fato de não estarmos melhorando no básico é que nos prejudica mais, afirmou à Reuters Carlos Arruda, professor de inovação e competitividade e pesquisador da Fundação Dom Cabral, responsável no Brasil pelo estudo publicado pelo International Institute for Management Development.

- O Brasil está nas piores posições do mundo em eficiência do governo... Esse é o grande vilão, porque é historicamente o pior e afeta todos os demais.

Entre os fatores que pesam sobre o país estão carga tributária elevada, custo do capital e necessidade de investimentos em infra-estrutura, pesquisa e inovação.

Segundo Arruda, uma estratégia de longo prazo para melhorar --e sustentar-- a competitividade faz falta.

- O país tem ações, mas não um plano, afirmou o professor, citando como exemplo a chamada Estratégia de Lisboa, lançada em 2000 com o objetivo de melhorar o potencial competitivo de países europeus até 2010.

Algumas países da Europa voltaram às primeiras posições do ranking em 2007, o que pode estar associado à estratégia, segundo Arruda.

- O fato de termos o PAC (Programa de Aceleração do Crescimento) e um plano de desenvolvimento da educação dá uma expectativa positiva para o Brasil, mas mudanças não acontecem de um ano para outro... O desafio é a implementação.

O levantamento considera quatro pilares em sua avaliação.

A 'Performance econômica' foi o que mais sofreu perdas de posicionamento em 2007. Arruda citou a relação ainda baixa no Brasil entre a corrente de comércio e o PIB, em torno de 15 por cento, frente a 30 por cento no Chile, por exemplo.

A 'Eficiência do governo' ficou na penúltima posição, perdendo apenas para a Venezuela. O país perdeu lugar também nos pilares 'Eficiência dos negócios' e 'Infra-estrutura'.

Dois novos países foram incorporados ao ranking, Ucrânia e Lituânia, o que também empurrou o Brasil para baixo na lista.

Questionado se o ganho de competitividade de outros países dificulta a situação brasileira, Arruda foi otimista.

- Todos os movimentos são favoráveis ao Brasil. Com economias interligadas, isso gera oportunidade.

O professor citou que o crescimento no mundo abre espaço para melhorias também por aqui.

- Temos oportunidade de contexto. Cabe o desafio interno.