Bolsas e BC dão suporte ao dólar

SÃO PAULO, 10 de maio de 2007 - A fraqueza dos mercados internacionais associado à perspectiva de uma nova intervenção do Banco Central deram suporte às cotações do dólar. No final da manhã, a divisa norte-americana avançou 0,05%, para R$ 2,018 na compra e R$ 2,019 na venda.

No Exterior, os principais índices acionários operavam no vermelho, reflexo do movimento de realização de lucro. Segundo o Departamento de Comércio, o déficit comercial dos EUA apresentou a maior alta dos últimos quatros, subindo 10,4% em março, para US$ 63,9 bilhões.

A expectativa com a divulgação do Índice de Preços ao Produtor (PPI), amanhã, também alimentou a o clima de cautela entre os investidores, ainda mais após o Federal Reserve (Fed, banco central dos EUA) reiterar suas preocupações com a pressão sobre os preços. Ontem, o Fed manteve o juro primário em 5,25% ao ano.

A estabilidade nos juros norte-americanos, garantindo a atratividade dos mercados emergentes, aliado aos bons fundamentos estruturais do Brasil, continuam estimulando os ingressos de recursos, o que deve

Aproveitando o bom momento em que o País está vivendo, o Tesouro Nacional reabriu emissão soberana denominada em reais, com vencimento em 2028. Os títulos serão emitido nos mercados norte-americano e europeu, com prerrogativa de dar prosseguimento na Ásia.

Ainda pela manhã, a agência de classificação de risco Fitch Rating elevou o rating de longo prazo em Moeda Estrangeira e Local do Brasil de BB para BB+.

(Simone e Silva Bernardino - InvestNews)