Itaú espera 'momento oportuno' para disputar compra do ABN Real

REUTERS

SÃO PAULO - O Itaú, segundo maior banco privado do país, espera o "momento oportuno" para entrar na disputa pela aquisição dos ativos do banco holandês ABN Amro no Brasil.

- Sem dúvida nenhuma, acho que o ABN Amro Real é um excepcional banco, muito bem administrado, pessoal extremamente competente. Obviamente, ao preço adequado, criando valor para os nossos acionistas, ele nos interessa - afirmou o vice-presidente sênior do Itaú Henri Penchas nesta quarta-feira.

O britânico Barclays e um trio de bancos liderado pelo Royal Bank of Scotland estão tentando comprar o ABN Amro. Enquanto o primeiro proponente pretende incorporar todos os ativos do ABN, exceto nos Estados Unidos, o consórcio de instituições financeiras pretende repartir os ativos do grupo holandês. No segundo cenário, a operação do ABN no Brasil ficaria com o Santander e o espanhol dispararia no ranking do setor bancário no país.

O Bank of America, acionista do Itaú, fechou acordo para compra da unidade norte-americana do ABN, o LaSalle, em operação vinculada ao sucesso da aquisição do grupo holandês pelo Barclays. Segundo o vice-presidente sênior do Itaú, o banco aguarda a evolução da disputa pelo ABN no exterior para avaliar opções.

- Pelo que eu tenho acompanhado por jornais e revistas especializadas, a situação é muito confusa pelo final da negociação e, principalmente, do posicionamento do Barclays e do Royal Bank of Scotland - afirmou Penchas durante teleconferência com analistas para comentar os resultados do Itaú no primeiro trimestre.

- Obviamente o ABN Amro Real nos interessa. Não sei até que ponto o Barclays quer ficar com o Brasil. Estamos aguardando e estamos observando a evolução do caso para no momento oportuno, que esperamos que exista, entrarmos junto com alguns dos participantes da contenda - acrescentou.

O ABN Amro Real é o terceiro maior banco privado do Brasil, atrás de Bradesco e Itaú. O grupo holandês comprou o Banco Real em 1998 e o Sudameris em 2003.