Bancos batem recorde de investimento em projetos

SÃO PAULO, 9 de maio de 2007 - Os bancos brasileiros bateram novo recorde em investimento social em 2006: R$ 1,151 bilhão. O valor é 15% acima do total realizado no ano anterior, segundo a Febraban (Federação Brasileira de Bancos). A entidade recolheu informações de 28 bancos, que representam 85,4% dos ativos totais do sistema financeiro. Dessas, 23 instituições descreveram os principais projetos sociais e culturais que apóiam.

O presidente da Febraban, Fábio Barbosa, afirma que o sistema financeiro brasileiro é reconhecido por sua excelência, moldada em décadas de turbulência econômica. Para citar um exemplo, ele explica que apesar das dimensões continentais, os bancos brasileiros conseguem fazer a maior parte das transferências dos recursos no mesmo dia.

"Essas são qualidades que já conhecemos. Agora, temos outro motivo para nos orgulhar. Em um relatório lançado recentemente, o International Finance Corporation, braço privado do Banco Mundial, citou o sistema bancário brasileiro como um dos mais avançados do mundo em termos de sustentabilidade", disse Barbosa em comunicado.

O diretor de relações públicas da entidade, Mário Sérgio Vasconcelos, afirmou que o setor bancário ofereceu um volume de crédito de R$ 732,5 milhões (base dezembro/06), sendo 20,7% a mais, comparado com o mesmo período de 2005. Os bancos fecharam 2006 com 102,6 milhões de contas correntes (8% a mais que 2005), segundo informações do Banco Central do Brasil. E um total de 134.114 dependências bancárias.

A diretora de responsabilidade social e de sustentabilidade da Febraban, Sonia Favaretto, aponta que os projetos de educação receberam o maior volume de investimento: R$ 303,7 milhões. "Os bancos avaliaram que essa área é fundamental para impulsionar o desenvolvimento do País", declarou em comunicado. Outra área com grande incentivo foi a de esportes como R$ 113 milhões.

No geral, foram 40.398 projetos apoiados ou desenvolvidos pelos bancos. Foram beneficiadas diretamente 7,5 milhões de pessoas, das quais 3 milhões em ações de combate à fome e segurança alimentar. E indiretamente, mais 20,8 milhões.

(Redação - InvestNews)