Lula apóia endurecimento da posição da Petrobras com Bolívia

Agência EFE

BRASÍLIA - O presidente Lula apoiou nesta terça-feira o endurecimento da posição da Petrobras em suas negociações com a Bolívia e esclareceu que, por enquanto, a disputa é da empresa e não afeta as relações entre os dois países.

- A Petrobras não tem problema em vender as refinarias que operam na Bolívia, mas quer um preço justo. Caso não haja pagamento teremos que ir à Justiça internacional para exigir os direitos da empresa - declarou Lula em um ato oficial em Santa Catarina.

- Por enquanto a briga é com a Petrobras. Por enquanto não é uma briga que envolva o Governo - declarou o líder, que esclareceu que, apesar das divergências, não teme que a crise ameace o fornecimento de gás natural no Brasil, que importa da Bolívia praticamente metade do combustível que consome.

A Petrobras solicitou na última segunda que o Governo boliviano concluísse as negociações para a venda das duas refinarias que opera no país.

Estas instalações têm que passar para o controle da Bolívia pela nacionalização de hidrocarbonetos decretada há um ano pelo Governo de Evo Morales.

A empresa brasileira deu um prazo de 48 horas para a Bolívia fazer uma nova proposta de compra por toda a sua participação nas refinarias, já que não deseja continuar no setor de refino neste país nem como sócio minoritário.